quinta-feira, 30 de junho de 2011

Controle de nematóides em citrus na fazenda da empresa Castelfranco


 Técnicos colocando a manapueira de mandioca para controlar nematoides em citrus, com máscaras para evitar os gases de cianeto de potássio da manapueira.


Técnicos e empregados colocando "manapueira de mandioca" para controlar os nematóides do citrus no bairro dos Leites-Barrisson. A "manapueira de mandioca" foi fornecida pela fábrica de amido de mandioca Caribé Ind. e Com. (Conceição dos Ouros, MG) para a empresa agrícola Agropecuária Castelfranco de Lourival C. Monaco e Constante Pavan Jr. de Taquarituba.


Neste pomar de citrus existiam cinco variedades de nematóide que foram determinados pelo Departamento de Nematologia da Faculdade de Agronomia de Jaboticabal no ano agrícola 1998/1999.

As laranjeiras foram marcadas e depois foram vistoriadas para verificar o efeito positivo da aplicação. Depois da aplicação constatou-se que elas não mostravam mais os sintomas(galhos retorcidos e nanismo) da ação dos nematóides em galhos novos enquanto que as árvores testemunhas mantinham os sintomas da ação do nematóide.

A aplicação do sub-produto da mandioca para o controle do nematóide foi mostrado em comunicado científico da Embrapa de Belém do Pará.



 Demonstração de aplicação de manapueira de mandioca para o controle dos nematóides de citrus.





Aplicação de "manapueira" de mandioca "brava"na dose de 4 litros por pé de citrus esparramados em 2 pontos ao redor da sua saia.

Colheita mecanizada do feijoeiro de mesa

Colheita mecanizada de feijoeiro de mesa:   os pés de feijão são arrancados com arrancadeiras tracionadas a trator, secados ao sol, enleirados mecanicamente e, depois, beneficiados com  máquinas como a da foto (que podem ser da marca Miac, Laredo, Masey ou a Case).
Essas máquinas ensacam o feijão. Os sacos são costurados pelos funcionários e deixados no solo em fileiras para depois serem recolhidos por carretas tracionadas a trator que os levam ao depósito e ou armazéns  para secagem, pesagem e comercalização.

Avaliação da cultura de feijoeiro para a tomada de decisão: controle de pragas e doenças e colheita


O eng.agro.Sérgio G. Gomes,  da Casa da Agricultura de Taquarituba,vistoria o feijoeiro da variedade Campeão II em fase adiantada de florescimento e granação da propriedade de Pedro José de Almeida (Pedro mineiro)
da safra 1999/2000. 
Nas entrelinhas do feijoeiro passam as rodas do trator quando este é pulverizado para o controle de pragas e doenças.

Feijoeiro sendo vistoriado pelo técnico agrícola Edson de Campos Pedroso que mostra a altura excepcional do feijoeiro, pois foi plantado sem irrigação, cultura da aguas- agosto/dezembro.

Feijoeiro sendo vistoriado pelo engenheiro agrônomo  Sérgio G. Gomes. Ele (à esquerda) e Benini (à direita) avaliam a fase de colheita do feijoeiro que foi plantado sem irrigação, cultura da águas de agosto a dezembro de1997/98, no bairro Barreiro da familia Benini .


 Sérgio Gomes orienta produtor do bairro do |Barreiro na vistoria para o controle de pragas e doenças do feijoeiro em fase de florescimento e granação.

sexta-feira, 17 de junho de 2011

JOÃO ANTONIO GABRIEL

Segue abaixo um relato da vida de João Antonio Gabriel enviado por Flavio do Escritório de João Gabriel filho de Trajano Gabriel (vereador e ex-prefeito de Taquarituba).



Em Maio de 1954 nasce na cidade de Avaré,no interior paulista, um menino caçula de cinco irmãos.Filho de Madalena Almeida Gabriel e de Trajano Gabriel ex tropeiro,peão de boiadeiro e fazendeiro,aprendeu a andar e cavalgar quase ao mesmo tempo.Com os pais aprendeu também os preceitos da honradez,hombridade e amor pela natureza e pelos animais.

Menino peralta e alegre,cavalgava com o pai pela fazenda e arredores,imitando-o em gestos e falas,orgulhoso em seu chapéu de couro dos vaqueiros nordestinos, presente que recebera de um capatáz da mesma origem que trabalhava com seu pai; o jovenzinho disparava sua bela petiça castanha em velozes galopadas pela pacata cidade deixando seu pai a gritar-lhe devagar menino!!! Devagar que o santo é de barro!! E se desmanchava de orgulho por ser esse caçula o que mais herdou dele a paixão pela vida no campo... principalmente o amor pelos animais.

Mais tarde, na escola,dividia seu tempo entre os estudos,a função de orador da turma e, em parceria com sua irmã ,divertia-se em peças teatrais e imitações cômicas.

Poderia com certeza ter seguido a carreira artística,pois dom não lhe faltava,nosso menino foi crescendo e enquanto cursava contabilidade à noite,fazia locuções de propagandas comerciais no serviço de alto falantes municipal,junto ao seu primo e grande locutor Rubens Aparecido Bueno,professor e vereador na cidade,e quem o ensinou no manejo do microfone.

Nessa época,com pouco mais de dezesseis anos,perde o pai,seu líder maior,e sua vida toma um rumo mais sério.Foi trabalhar numa agência bancária de Taquarituba,sem deixar as locuções e gravações de propagandas,pois sempre teve boa voz e muita intimidade com o microfone.

Todavia,ressurgem nessa época as atividades hípicas no hipódromo Cap.Eugênio Gabriel, na cidade de Taquarituba,e a convite de seu tio e agora seu mentor Pedro Quintino,um dos diretores desse hipódromo,começou a fazer leilões de apostas(remates)nas corridas de finais de semana.

Dividindo seu tempo entre o banco,as gravações publicitárias e os leilões,fazia pregões entusiasmados de corridas de cavalos,chamando a atenção dos grandes criadores de quarto de milha,até que um deles Antonio Carlos Quartim Barbosa,respeitado importador ,o apresentou a Sergio Assumpcão Toledo Piza; empresário e fazendeiro que estreava sua firma de leilões Rurais a PROGRAMA S/A , juntamente com seus sócios Paulo Edmur Vieira Pimentel e João Leite Sampaio Ferraz Junior.

Ao vê-lo em ação seu Sergio se encantou e assim que terminou aquele remate,o convidou para trabalhar na sua recém criada empresa leiloeira,o qual diante da expectativa de trabalhar no que e com o que mais gosta,aceitou!!

Corria o ano de 1974,mudou se para S.Paulo sede da empresa,e por iniciativa própria,pediu ao seu Sergio que gostaria de passar por todos os setores da firma,para que pudesse conhecer como funcionava tudo,curioso,batalhador e inteligente,começou no manejo,depois escritório,pisteiro,e finalmente após a experiência e os conhecimentos nescessários para aprimorar seu talento,iniciou se como leiloeiro,isso em 1977 na cidade de Araçatuba.

Teve a honra e grande sorte de trabalhar ao lado de grandes e inigualáveis mestres como Trajano Silva,Antonio Carlos Pinheiro Machado,primeiro como pisteiro,o que lhe valeu como aulas práticas,pois poucos profissionais tiveram o privilégio de aprender de forma certa e correta com esses gloriosos mestres do martelo,depois já atuando,como parceiro e colega de profissão,dádiva atribuída a poucos nesse existência.

Nessa época entre leiloes e teatro amador,durante os ensaios da peça Auto da Compadecida,conhece a jovem Vera Lúcia Marcolino,e entre uma cena e outra começam o namoro.

Foi uma época de muitas viagens,cartas à namorada que estudava em Sorocaba, e ele morando em S.Paulo,mas a emoção e adrenalina eram muito fortes e o fascínio pelo seu trabalho ainda maior.

Nosso menino já era conhecido como leiloeiro do "Programa Leilões".

Em 1979,casa se com Vera Lúcia e permanece inicialmente em São Paulo,depois a pedido de Sergio Piza muda se para Maringá e assim abrem-se as filiais da Programa Leilões no estado do Paraná.

Durante esse período, inauguram-se filiais em Londrina, Maringá,Cruzeiro Doeste e Umuarama; e assim João Gabriel assume a condição de diretor e leiloeiro da já respeitada e vitoriosa empresa leiloeira.

Em finais de 1981,mudam –se para Taquarituba,sua cidade,pois Vera ao lado dos pais, as viagens de João Gabriel ficariam mais tranqüilas,pois já é considerado um dos principais leiloeiros do país,e a Programa Leilões conhecida em todo o Brasil.

Os leilões de cavalos e gado se tornam um grande sucesso e ele passa a ser solicitado por novas empresas do ramo.Nesse período começa também a trabalhar para Remate Leiloes de José Eduardo Prata Carvalho,Gerson Prata e Ivan Castejon,amigos que muito contribuíram para a lapidação profissional de nosso leiloeiro e responsáveis por introduzi lo no mundo do nelore.

Em 1984,nasce seu primeiro filho Trajano Benito,enchendo-o de alegria e entusiasmo,fazendo-o trabalhar com afinco e viajando cada vez mais,deixando Vera com os afazeres do lar e todos seus interesses,suprindo as saudades e preocupações com a família por telefone quase todos os dias.

Muito trabalho,muitos leilões, em 1987 nasce seu segundo filho,Tássio José.O pai pensa...”Agora vou ficar mais em casa”,mas o dever o chama e lá esta ele novamente,ora num avião,ora num carro,rumo ao trabalho.

Os anos foram passando, novas amizades conquistando, leilões de norte a sul do país, seu nome sempre conhecido no meio pecuário, surgem convites para leilões internacionais, e ele passa a fazê-los também na Bolívia e Paraguai; as crianças crescendo, trabalho sempre puxado, mas em seu lazer nas poucas folgas, lá está ele montado em seu cavalo, vivendo a vida calma na pequena Taquarituba onde mora. Participa das festas de peões, faz parte das cavalgadas na companhia dos filhos como outrora, só que agora pai e não menino. O Programa Leilões passa das mãos do então jovem empreendedor Paulo Arantes Horto que dá um novo impulso a tradicional empresa leiloeira e concomitantemente adquire também a empresa Remate Leilões de José Eduardo Prata Carvalho e assim expande ainda mais o universo dos leilões do país.
Nosso leiloeiro de carreira vitoriosa é convidado a fazer parte do conselho administrativo dessas empresas, cargo que acumula ate os dias atuais; próprio daqueles que amam o que fazem.

João Gabriel recebe em 1997 o martelo de ouro dos criadores de nelore do Brasil, se consagra definitivamente como profissional de destaque ao ser o único leiloeiro do mundo a vender sete animais acima de um milhão de dólares, feito que está sendo registrado no guiness book. Por esses feitos e muito mais, em 2005 recebe a maior comenda da pecuária brasileira, o Diploma de Mérito ABCZ categoria Nacional, tendo em vista os relevantes serviços prestados a essa entidade e a pecuária em geral.

Depois de bater recordes de preços com todas as raças que se propôs a leiloar,e hoje ao longo de 34 anos como leiloeiro rural, e mais de 37 de convivência de leilões, com os filhos criados e formados, ao lado de seu grande amor e eterna companheira Vera Lúcia, olha para trás e juntos abraçados, revendo tudo pelo que já passaram e pelas bênçãos recebidas,agradecem....OBRIGADO MEU DEUS...VALEU A PENA!!!!

Observação:
O pai de João Francisco Gabriel, o taquaritubense Trajano Gabriel, casado com Madalena de Almeida Gabriel, foi vereador por duas legislaturas na década de trinta e prefeito municipal de Janeiro de 1942 até  31 de dezembro de 1944, em plena Segunda Guerra mundial.

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Evolução na agricultura da região de Taquarituba, SP

Preparo do solo feito com arado de burro usado na agricultura local desde a década de 1950. Antes o solo era roçado, o mato era queimado e descoivarado para o plantio com plantadeiras manuais (catraca ou matraca) ou mesmo com cavadeiras.

Trabalhador usando adubadeira de cobertura após o nascimento da planta para simplificar a adubação em cobertura do milho, algodoeiro ou feijoeiro.

Pulverizador de posição lateral introduzido para controle de pragas na cotonicultura (para algodoeiros de grande altura) no final da década de 1970



Área do ensaio regional de cultivares de algodão, década de 1970

Propriedade de Félix Rodrigues de Almeida (Félix Piaiano)  no Bairro Queimadão
Ensaio Regional Cooperativo, de Cultivares de Algodoeiro 1974/75- CATI-CIA-CAT.




Área de Ensaio cooperativo de variedades de algodoeiro, ano agrícola 1974/75, na Fazenda Queimadão de Felix Rodrigues de Almeida e seus sucessores (propriedade localizada no Bairro Queimadão, nas margens da rodovia Taquarituba-Itaí), montado pela Casa da Agricultura sob minha orientação. Nela foram testadas quinze cultivares de algodão para o Ensaio regional de cultivares do Brasil. Após a colheita foram pesadas as produções das parcelas e determinadas as umidades dos capulhos do algodão no Posto de sementes de Avaré e remetidos os resultados à Seção de Algodão do CIA-Campinas.S.P.

Curso de Piscicultura na Casa Paroquial de Taquarituba



sem autoria 
 
O Curso de demonstração de resultados do Cuso de Piscicultura foi promovido pela Casa da Agricultura-Aprut-Casa Paroquial  em 2000(1999), no salão Paroquial da igreja católica de Taquarituba, cedido pelo Pe. Francisco de Lucia. O instrutor foi o Dr. Newton Castagnoli da UNESP de Jabuticabal, SP.

Este curso foi resultado da demanda dos piscicultores a Casa da Agricultura e a APRUT (Associação de Piscicultores de Taquarituba) e que por intermédio de seu presidente dr.José Francisco Gomes(cirurgião dentista) trouxe um especialista em Psicultura e diretor do Projeto Pacu do Mato Grosso do Sul.

Do curso participaram 18 criadores de Taquarituba e 3 de Itaí, que além de palestras visitaram a criação de peixes do dr. J.Francisco Gomes no bairro Serrinha, e dias depois visitaram criações de peixes em tanque rede na represa de Salto Grande em Fartura(S.P.) da Associação de Piscicultores de Fartura.

Colheita de milho - área do concurso "O Melhor Produtor de Milho de Taquarituba" 1967-1968

 
Produtores de milho, comissão de colheita e supervisor agrícola de Avaré (Ovídio Tardivo) observam a colheita da área de concurso "O melhor produtor de milho de Taquarituba" na propriedade de Henrique Latanzio no Bairro dos Campos, década de 1960.

Na foto vê-se de costas, da esquerda para a direita: um dos Tezza de Avaré, Henrique Latanzio (3o.colocado), a seguir o eng.agro.Supervisor agrícola de Avaré, dr.Bastilio Ovidio Tardivo; depois o mais afastado Dante Tezza Filho, também proprietário da Sementes de Milho e a seguir produtores de milho de Taquarituba e Avaré.




Área demonstrativa de calagem e adubação de milho na propriedade de Henrique Latânzio, Bairro dos Campos, 1967






Uma rosa branca emoldura a Igreja de São Roque

Fachada superior da Igreja de São Roque de Taquarituba, SP.
Década de 1960/70

Lembranças

Caneca da Festa da Cerveja de Presidente Prudente

Canecas de festas promovidas pelo Lions Clube