domingo, 13 de março de 2011

ZÉ ROSA, um agricultor taquaritubense e limeirense exemplar !!!

Lá pelo início dos anos sessenta José Alves da Silva ( Zé Rosa como era conhecido por todos) veio para Taquarituba para trabalhar na Fazenda dos Van Paris de Limeira.

Encantado com o clima, o solo, e os preços baixos das terras, Zé Rosa comprou uma área de terras no bairro da Serrinha ou dos Gomes, uma gleba de terras que não chegava a 75,0 hectares, morou na propriedade e, após uns anos, comprou uma casa na Avenida 9 de Julho, próxima ao Grupo Escolar Trindade Evangelista.

Localizada na divisa de Taquarituba com Coronel Macedo esta fazenda serviria para expandir a cultura de laranjas na região. O proprietário foi atraído pela ausência de falta de água no solo e pelo teor de sólidos solúveis do suco das laranjas e a cor das laranjas produzidas na região.

Logo após sua vinda, entre 1963 e 1964, a região foi declarada zona limítrofe com suspeita do cancro cítrico e iniciado o levantamento dos pomares de todas as propriedades e terrenos do município de Taquarituba e Coronel Macedo.

A existência desse provável problema fez com que a Fazenda Citrosuco desistisse de implantar pomares na região. Mas José Alves Rosa, tendo visto o pequeno pomar existente de laranja pêra na fazenda do engenheiro agrônomo Oswaldo Castelucci, no bairro Matão em Taquarituba, e usando a experiência que já tinha de Limeira, começou a plantar 5.000 pés da variedade de laranja pera em sua propriedade.

Nenhum foco da doença foi encontrado no levantamento do citricultor José Alves em sua propriedade e a família Pavan também plantou um grande pomar no município com 25.000 laranjeiras de 4 variedades inclusive 5.000 pés de limão Taiti.

Zé Rosa plantava como cultura intercalar enquanto a laranja não produzia, arroz e feijoeiro, e as vezes milho, para pagar a manutenção da propriedade. Enquanto não expandia os pomares plantou milho, soja e arroz e conseguiu, depois de alguns anos, adquirir novas áreas vizinhas.

O aumento a área do pomar de laranjas foi substancial atingindo 70.000 pés das variedades Pera, Natal e Valência. Os primeiros plantios de laranja foram no terreno plano, em quadra, mas os novos plantios em terrenos inclinados foram realizados em nível, com o solo corrigido com calcário/gesso e adubação baseados em análise de terra .

Zé Rosa, desde o início de sua produção de laranjas teve como precaução fazer contratos antecipados de entrega das frutas com as indústrias de Limeira e Araras para garantir preços e poder planejar a produção anual. Na década de noventa fez plantio com contrato com firma de suco cítrico para “entrega futura” como financiamento de plantio. Nos anos noventa fez contratos com a firma de Sorocaba, aumentando o pomar com mais 5.000 árvores.

Durante sua vida de produtor sempre foi um inovador, experimentando novos produtos e novas técnicas, além de sempre viajar para a zona produtora de “citrus”, para estar em dia com o mercado de laranja e assim poder obter melhores preços para sua produção, e ainda estar em dia com inovações da cultura.

2 comentários:

  1. Parabéns ao Zé Rosa! E a você, meu caro, por compartilhar conosco esta interessante história!
    Grande abraço,

    ResponderExcluir
  2. Querido Dr. Norival,

    Ao realizar uma pesquisa na internet, deparei-me com seu blog "Fios da memória".
    Parabéns pela iniciativa, fotos e excelentes textos.

    E' muito bom ler sobre o passado de Taquarituba e sua agricultura.

    Morei entre 1997 e 1998 em Taquarituba, trabalhando como Engenheiro Agrônomo do Departamento Técnico da Coreata.
    Fiquei muito feliz em revê-lo, ainda que virtualmente.

    Um abraço e muito obrigado pela inspiradora trajetória pessoal e profissional, belo exemplo de amor `a nossa profissão e respeito aos agricultores.

    Maurício Feijó
    Kscão F-96 Esalq

    ResponderExcluir