terça-feira, 30 de novembro de 2010

Programação de Missas, batizados e casamentos realizados na Paróquia de São Roque de Taquarituba - 1978


A cópia da programação dos ritos religiosos da Paróquia de São Roque do município de Taquarituba  indica o alcance, predominância e prestígio da Igreja Católica Apostólica Romana. Pode se notar que havia igrejas católicas em todos seus bairros rurais e urbanos de Taquarituba .

Experimento regional de cultivares de feijoeiro no Bairro do Pico, Lageado (CATI-IAC-CA)

Campo de experimento de feijoeiro, década de 1980
No centro da foto, o engenheiro agrônomo da Casa de Agricultura de Itaí, José Levy P. Montebelo; à direita, o produtor agrícola Acácio de Oliveira e seu filho. Este experimento tinha por objetivo determinar as melhores variedades-cultivares de feijoeiro e foi cooperativo da Casa de Agricultura-CATI com o Instituto Agrônomico de Campinas (IAC) e estava na Microbacia Ribeirão do Lageado no bairro do Pico Lageado.



sábado, 27 de novembro de 2010

Experimento agrícola na Fazenda Ribeirão Bonito


1a. foto

2a. foto
A 1a.foto  é está o auxiliar técnico da Casa de Agricultura de Taquarituba Luiz V.Fontana, iniciando a colheita dos cultivares "maduros"em processo de colheita e que foi feita em três etapas.

2a.foto: O assistente de Fitotecnia do Escritório de Desenvolvimento Regional Agrícola de Avaré; Silvio, vistoriando as qualidades técnicas dos cultivares de feijoeiros, acompanhado pelo eng. agro.José  Norival Augusti da Casa da Agricultura na Fazenda Ribeirão Bonito de Pedro José de Almeida (ano agrícola 1999/2000)

As duas fotos são do mesmo local só que em épocas diferentes - Fazenda Ribeirão Bonito, bairro Barreiro-Ribeirão Bonito, de Pedro José de Almeida - e o experimento é cooperativo com o Institiuto Agronômico de Campinas,S.Paulo-EDR-Avaré.

Vista lateral do Silo da Cooperativa Mista de Arapoti, Pr, localizada em Taquarituba


No plano de fundo estão as instalações (Silo Horizontal)  da Cooperativa Mista de Arapoti, Paraná. Augusti, 2010. 



Este silo horizontal  e os armazéns ao seu lado foram contruídos em 1970 pela CEAGESP (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo). Foram comprados pela Coreata e recentemente incorporados pela Cooperativa Mista de Arapoti (CAPAL) do Paraná.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Conservação do solo em Taquarituba, SP

A conservação do solo em Taquarituba começou efetivamente no início dos anos sessenta quando o eng. agro. da Casa da Lavoura Nilson Ramos Righi marcou os primeiros níveis para o plantio de café Mundo Novo nas propriedades de Dorival Dognani, no Bairro Leite-Lageado (Lajeado) e de Pedro de Almeida, no bairro Cerrado. As sementes e mudas de café foram plantadas pelo próprio engenheiro Nilson R. Righi.

Esses foram os primeiros plantios na região deste novo cultivar de Café Mundo Novo do Instituto Agronômico de Campinas. Além de serem  também os primeiros plantios de de café em "nível" (nivelado) no município e com novos cultivares (Mundo Novo) em 1963.

Depois disso, "plantios em nível" de cana de açúcar foram feitos na fazenda Matão adquirida pelo patriarca dos Casteluccci, oriundo de Piracicaba. Foi Osvaldo Castelucci, filho do proprietário desta fazenda, que fez este plantio em nível  antes da inauguração do seu “engenho de pinga” em 1962.

No município de Taquarituba, assim como em outros, recém desbravados o trabalho dos engenheiros agrônomos para a conservação do solo  esbarrava com um fator negativo: a falta de preparo adequado do solo e da mecanização; a existência de tocos e troncos de grandes árvores nos terrenos que o fogo (técnica primitiva de limpeza dos terrenos para plantio) e arados primitivos não conseguiam acabar; restevas e sobras das culturas anteriores, bem como a grande quantidade de matéria orgânica que evitava a erosão.

Além disso, a Casa da Lavoura não contava com um nível de engenharia com técnicos para as marcações que existiam na época somente em Avaré. Os auxiliares-técnicos vinham para Taquarituba. Citamos alguns dos auxiliares-técnicos que trabalharam para marcar os níveis no município e orientar as construções de terraços e curvas de níveis: José Cassola, Oziris Mendes Martins, José Maria.

 
No ano de 1968/69 foi demarcada uma área de 85 hectares para o plantio de 40.000 pés de laranja e limão na Fazenda Barra Grande (antes pertencente José de Campos,conhecido por Zé Leitoa) demarcado pelos auxiliares de Avaré. Em 1988 foi novamente demarcada pelos auxiliares de Taquarituba(Antonio Jose/Antonio Luis de Paula) esta área após o pomar ser erradicado para renovação. Esta propriedade atualmente pertencente à firma Castelfranco, sucessores da família Pavan/Franco.

A partir do início dos anos setenta, com a entrada de agricultores da região de Campinas, como a família Pavan de Paulínia; Castelucci de Piracicaba; os Defaveri, Pulz, Caron, Faveri de Artur Nogueira, Braganholo de Tiete/Tatuí, a “tratorização” das lavouras, a marcação de curvas de nível e terraços começou a acontecer pelo “efeito demonstração”, provocando a procura por marcação de níveis na e terraços Casa da Agricultura. Além disso, a partir de 1972, teve início o crédito rural semiorientado do Banco do Brasil S.A. que fez com que os agricultores procurassem a Casa da Agricultura para marcar as niveladas com níveis históricos (de borracha) e orientar-se sobre o terraceamento de suas lavouras de algodão devido à necessidade de conservação do solo nas regras do Seguro Rural exigido pelo seguro da Cosesp (Companhia de seguros do Estado de São Paulo) e Proagro (Programa de Seguro de Crédito Rural).

Nesse ínterim houve o incentivo do plantio de café pelo Estado de São Paulo, do IBC-Gerca. Para o seu plantio fazia-se necessário o plantio em nível com ou sem terraceamento, dependendo da inclinação do solo, complementando ao final do Plano de Renovação Cafeeira a marcação de niveladas de 1.350.000 covas no município e 380.000 pés em Coronel Macedo que foi atendido pela Casa da Agricultura de Taquarituba, de 1972/75 e, posteriormente, a marcação de mais 350.000 pés, no município e 150.00 pés em Coronel Macedo após a grande geada de 1975 e a pequena de 1979.

Iniciou-se após 1985  o período da conservação do Solo em Micro Bacias, método conservacionista integral do solo e da água, protegendo o agricultor e dando condições para o seu desenvolvimento econômico, abrangendo uma área influenciada por um curso de água, rio mesmo um ribeirão. No município de Taquarituba, este programa  foi iniciado com a Micro bacia Ribeirão do Lageado, que nascia ao norte da cidade de Taquarituba, passava ao lado da mesma, e abastecia a cidade com sua água após tratamento (na Estação de Tratamento). Nesta micro bacia foram demarcados 1.720 hectares de nível, terrraceados aproximadamente 900 hectares, complementando a área com niveladas, e plantados em nível o terreno restante da microbacia. Os níveis foram demarcados pelos técnicos agrícolas Antonio Jose de Oliveira,/A.Luis de Paula e os serviços de terraceamento e “embaciamento” foram realizados pela Codasp de Avaré, em dois anos 1985/86. O terraceamento é um método conservacionista, que usa um terraceador mecânico ou arado reversível, de preferência para fazer canais e lombadas, em intervalos do declive do terreno para “segurar” ou reter as águas das chuvas entre esses mesmo canais e terraços em terrenos com declividade.

Após esta demarcação e construção das bacias de contenção das águas vizinhas das estradas foi finalizada a estrada margeando a Microbacia Ribeirão do Lageado, que vai da cidade no Distrito Industrial ao Bairro dos Leite-China(Coronel Macedo) e retificada e “embaciada” nos seus dezesseis (16) quilômetros e foi “cascalhada” nos locais de maior declividade de encalhe, em 1987/88. Depois desses trabalhos iniciais, iniciou-se a micro bacia do ribeirão dos Aleixos e das Palmeiras.

Após este projeto, várias estradas receberam o Projeto “Os melhores Caminhos”, desenvolvido na década de 1990, que  perenizou a estrada dos Baianos-Pedregulho, do bairro Medonho, do núcleo-bairro do Aleixo e das estradas do bairro Palmeiras-Matão, incluídos no projeto de tornar as estradas rurais transitáveis o ano todo.

Entre o final da década de 1990 e início de 2000, os serviços de demarcação das bacias de captação de água da chuva na estrada Taquarituba sentido  Bairro dos Baianos e do Aleixo foram orientados pelo técnico agrícola Edson R. de Campos Pedroso.


A Casa da Agricultura em parceria com a Prefeitura municipal deu continuidade ao Programa de Microbacias com  mais técnicos agrícolas e engenheiros agrônomos que favoreceu o trabalho de “perenização”  para  tornar as estradas transitáveis o ano todo e melhorar as estradas rurais usando o método conservacionista de bacias de contenção nas margens das estradas conhecidas como microbacias.

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Documentos: Convite da instalação da Comarca de Taquarituba e cardápio do banquete, 1969

Capa do Programa de instalação da Comarca de Taquarituba, 1969

Convite da solenidade de instalação da Comarca de Taquarituba, 1969

Capa do cardápio do banquete realizado por ocasião da instalação da Comarca de Taquarituba no Centro Recreativo em 22 de janeiro de 1969

Cardápio do banquete realizado por ocasião da instalação da Comarca de Taquarituba no Centro Recreativo em 22 de janeiro de 1969