quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Documento: Cadastro de propriedades rurais do município de Taquarituba (1964)

Primeira página da "Relação das propriedades rurais do município de Taquarituba: suas dimensões e respectivos donos" - Prefeitura Municipal (26 de outubro de 1964) - 12 folhas
Última página da "Relação das propriedades rurais do município de Taquarituba: suas dimensões e respectivos donos" - Prefeitura Municipal (26 de outubro de 1964) - 12 folhas


Antes da "Revolução de 1964",  denominada assim pelo governo, os impostos territoriais rurais eram lançados e cobrados  pelas prefeituras municipais brasileiras. Maria Aparecida Bueno, lançadora municipal de Taquarituba, cadastrou 613 propriedades rurais em 26 de outubro de 1964  conforme consta em cópia da primeira e última página (acima inseridas) no documento da Prefeitura Municipal. Após 1966, com a criação do Instituto Brasileiro de Reforma Agrária (Ibra) e o Instituto Nacional de Desenvolvimento Agrário (Inda)* os impostos territoriais rurais passaram a ser cobrados por esses institutos e repassados à prefeitura municipais após o recolhimento descontada a taxa de cobrança.


*   "Em 4 de novembro de 1966, o Decreto nº 59.456 instituiu o primeiro Plano Nacional de Reforma Agrária, que não saiu do papel. Em 9 de julho de 1970, o Decreto nº 1.110 criou o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), resultado da fusão do Ibra(Instituto Brasileiro de Reforma Agrária) com o Inda(Instituto Nacional do Desenvolvimento Agrário)." Informação extraída do site do INCRA (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) http://www.incra.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=category&layout=blog&id=270&Itemid=288

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Taquarituba: relação de terras (INCRA, 1967)

Relação de terras de Taquarituba segundo o INCRA -1967:


Áreas...............no. de propriedades.......total em hectares.

0,1 'a 1,0 ha....... 9.....................................3,0 ha.

1,01 'a 2,0 ha,......11 ................................15,0 ha.

2,01 'a 3,0 ha.......19 ........................... ...46,0 ha.

3,01 'a 5,0 ha.......79...............................316,0 ha.

5,01 'a 10,0ha....105.............................1.121,0 ha.

10,01 'a 20,0ha...283............................4.347,0 ha.

20,01 'a 30,0ha...211............................5.188,0 ha.

30,01 'a 50,0ha..260..........................10.295,0 ha.

50,01 'a 100 ha...254..........................18.108,0 ha.

100,01'a 200 ha..147...........................20.419,0 ha.

200,01 'a 300 ha. 57...........................13.802,0 ha.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

CAMPANHA DE COMBATE À FORMIGA SAUVA

Follheto que o engenheiro agronômo Verino Ramos Cuz dustribuiu para os lavradores de Santa Cruz das Palmeiras em 1969. Este folheto serviu de modelo para a Campanha realizada pela Casa da Agricultura de Taquarituba  em 1970 quando se iniciou o plantio de algodão em maior escala na região.Logo depois, no Governo Abreu Sodré, Herbet Levy  na gestão do secretário da Agricultura  foi criada a Campanha do formicida Mirex para o controle da sauva o que levou a grande venda  deste produto pela Casa da Agricultura, possibilitando a cultura do algodão de Taquarituba anteriormente denominada Formiguinhas do Taquary devido ano grande número de formigueiros existentes. Na ocasião foram vendidos 53 barricas de vinte e dois quilos fraccionadas em quilos para os pequenos agricultores.


Experimento regional de cultivares de feijão-CATI-IAC-CA.

Ensaio Regional de cultivares do feijoeiro de mesa (EDR-CIA-C.A), safra 1996-1997,  na propriedade Ribeirão Bonito de Pedro José de Almeida (Pedro Mineiro) no bairro Barreiro-Ribeirão Bonito-Taquarituba, S.P. Ele foi o colaborador-cooperador voluntário do experimento. Neste experimento teve também a participação do EDR-Avaré-Instituto Agronômico Campinas-Casa da Agricultura, Taquarituba.S.P.


Na primeira foto, de cima para baixo, vemos Edson Ramos Pedroso ( técnico agropecuário da Casa da Agricultura de Taquarituba) vistoriando o experimento agrícola regional do feijoeiro de mesa.  




Na foto acima vemos o engenheiro agrônomo José Norival  Augusti apontando para um dos cultivares do feijoeiro mais desenvolvido do experimento regional, na propriedade Ribeirão Bonito em Taquarituba.


Na foto acima vemos Luis Vicente Fontana, auxiliar técnico da C.A., no início da colheita do feijoeiro. Destaca-se na imagem os sacos individuais por "canteiro" com (5) cinco repetições. É a fase da colheita do experimento do feijoeiro. Do lado direito do experimento pode-se ver uma área da cultura do feijoeiro colhido a mão e recolhido, beneficiado e ensacado com máquina.








sexta-feira, 15 de outubro de 2010

LEVANTAMENTO DAS UNIDADES PRODUTIVAS AGRICOLAS (LUPA) 2007/8: Uma aproximação analítica

O levantamento das unidades produtivas agrícolas de São Paulo, realizada a partir do ano 1999-2000 pelos técnicos e engenheiros agrônomos das Casas da Agricultura fez parte dum projeto da Coordenadoria de Assistência Técnica Integral e o Instituto de Economia Agrícola de São Paulo com objetivo de se conhecer a realidade agropecuária do estado, como um todo, de uma maneira direta e objetiva.

Em levantamento de 1999/2000 foram aplicados questionários com perguntas aos proprietários ou seus representantes, após motivação, abrangendo todas as atividades das propriedades ou unidades produtivas agrícolas, coletadas, levadas aos escritórios regionais, e que por sua vez encaminhava à central de recebimento para digitação e de análise dos dados.

Como a agricultura é dinâmica e as unidades produtivas agrícolas mudam constantemente de proprietários e de exploração agro-pecuária a cada dois anos vinte por cento dos levantamentos são refeitos.

O primeiro levantamento teve muitas imperfeições sendo o mais evidente (pelo menos na nossa região) devia-se a inexistência de GPS, que foi essencial para evitar o levantamento duplicado. No nosso município o levantamento inicial foi referenciado através do uso das cartas geográficas do IBGE, que carregou os erros normais de localização e sem o “referenciamento” geográfico com o GPS(global position systems).

Apesar de todas estas dificuldades o levantamento foi realizado pelos técnicos da Casa da agricultura, com a assessoria técnica do escritório de Desenvolvimento Agrícola de Avaré, que mandou vários técnicos da região para terminar o Projeto. Esta ajuda foi boa mas ao mesmo tempo ocasionou duplicação de unidades produtivas e entrada em municípios vizinhos agrícolas devido ao desconhecimento das divisas do município. Por isto que as vezes nos levantamento novos algumas propriedades deixam de existir.

No LUPA de 2007/8 foram levantados os dados que são muito diferentes dos anteriores, denotando uma mudança dinâmica da agricultura e pecuária local, não só no número de proprietários mas também na exploração agropecuária. Notou-se também que a área levantada total de 418,043Km.2 é menor que a área física do município que segundo o IBGE é de 448,1 km quadrados,(452,0km2 do Seade), mostrando que há uma indefinição dos limites do município, e talvez desconhecimento desses limites pelo funcionário que fez o cadastro ou de suas áreas que podem ter sido super estimadas pelos seus proprietários.

seguem alguns dados estatísticos para posterior revisão do levantamento 2007/2008, com alguns dados principais, e que são periodicamente revisados pelos funcionários técnicos e administrativos das Casa da Agricultura dos municípios:

DISTÂNCIA das propriedades da sede do município
Área total : 41.804,3 hectares com 1.021 unidades produtivas agrícolas.
Quadro Geral da produção: ITENS ÁREAS
AREA TOTAL - Número de Unidades produtivas agrícolas (UPAS)

Distância da  sede do município: de 0,1Km. a 34 Km. 

Área total do município levantada................................................41.804,30 há.

Área de cultura perene... 108 UPAS....com área total...................1.317,20 há.

Área de culturas temporárias 705 UPAS... ...................................20.939,80 há.

Área com pastagens............. 747 UPAS.......................................14.191,50 há.

Área de reflorestamento ...... 154UPAS....................................... 314,20 há.

Área de vegetação natural.... 729UPAS........................................ 3.072,10 há

Área de brejos e várzeas..... 409 UPAS..........................................1.192,20 há.

Área em descanso.................214 UPAS.......................................... 79,50 há.

Área complementar...............995UPAS............................................ 697,80 há.

As áreas foram somadas de acordo com os tipos de ocupação. Nota-se que a área levantada é maior que a área física, devido a alguma diferença dos limites do município ou mesmo porque essa área pode ser da represa de Jurumirim que limita o município em sua parte no-noroeste e devido a  falta do GPS e do conhecimento de divisas que também pode ter alterado estes limites e anexado algumas propriedades ao município de Taquarituba.

A estratificação das áreas das unidades produtivas agrícolas mostra que a distribuição de terras produtivas no município é muito grande, como se pode ver na relação abaixo transcrita do LUPA (levantamento de unidades produtivas agrícolas). Entretanto, não são necessariamente propriedades agrícolas pertecentes a proprietários, pois podem ser unidades agrícolas produtivas de terras que foram  arrendadas, ou produção a "meia " ou a "terça" 

Esta divisão pode ser explicada pela origem dos colonizadores, pelo tipo de exploração, que ao não produzir o suficiente para uma vivência promovia a divisão com estranhos e entre os familiares (como ocorreu em Caxias do Sul, entre as famílias de viticultores, no século XX), promovendo uma distribuição agrária, quase que socialmente ideal das terras em Taquarituba.

A distribuição de propriedades e de produtores do município pode ser avaliada por esta relação, resultado do LUPA (Levantamento da Unidade Produtiva Agrícola) de 2007/8, e que pode ter se modificado muito pouco nos dois últimos anos.

Estatísticas agrícolas do município de Taquarituba, S.P. Ano agrícola de 2007/8.

Detalhes do levantamento LUPA do município:

Distância a sede do município das UPAS: das 1021 propriedades levantadas as distâncias mínimas foram de 0,1km, distâncias médias de8,5 km e distância máxima 34,0 quilômetros, da sede.


Upas com 0 a 1 há. 13 unid. 0,2 ha 0,4 há. 0,9 há. 5,50 há.

Upas com 1 a 2 há. 23 unid. 1,2 há. 1,7 há. 2,0 há. 38,40 há.

Upas com 2 a 5 há. 123 unid. 2,1 há. 3,7 ha 5,0 há. 451,60 há.

Upas com 5 a10 há. 172 unid. 5,2 há. 7,5 há. 9,9 há. 1.260,00 há.

Upas com 10 a 20 ha. 218 unid. 10,3 há. 14,9 há. 20,0 há. 3.249,40 há.

Upas com 20 a 50 há. 273 unid. 20,2 há. 31,6 há. 49,2 há. 8.637.50 há.

Upas com 50 a 100 116 unid. 50,8 há, 72,5 há. 99,2 ha. 8.415,50 há.

Upas com 100 a 200 47 unid. 100,6 há. 137,1 há. 193,6 há. 6.445,80 há.

Upas com 200 a 500 33 unid. 204,5 há. 324,1 há. 485,2 há. 10.695,90 ha.

Upas com 500 a 1000 2 unid. 609,7 há. 664,9 há. 720,0 há. 1.329,70 há.

Upas com + 1000 ha 1 unid. 1.239,0 há. 1.239,0 ha 1.239,0há. 1.239,00 há.

Fam.trabal. Totais: 953 Mini/ 1,0 Media 1,9 Maxi 10 Totais 1.853 pessoas

Trab. Perm. Totais: 156 Min/ 1,0 Média3,1 maxi 91 Totais 509 pessoas

A exploração de animais em 2007/8 teve produção de bovinos de corte, misto e de leite, asininos, muares,caprinos, equinocultura, ovinocultura, piscicultura (tanques), sericicultura e suinocultura. A mais expressiva de todas era a suinocultura com uma população de 7.571 suinos.

A produção animal que nunca foi significativa no município, foi levantada e mostrou os seguintes criações e suas características: em 2007/8

ITEM UNIDADE NUMERO UPAS TOTAL

Bovino de corte cabeças 211 12.338

Bovino de leite cabeças 229 3.26 3

Bovinos mistos cabeças 327 6.776

Apicultura colméias 2 40?

Asininos e muares cabeças 42 62

Avestruz e emas cabeças 1 8

Avicultura de corte cabeças 63 6.518

Avicultura ornamental cabeças 16 518

Avicultura ovos cabeças 192 6.018

TOTAL

Caprinos cabeças 11 82

Equinocultura cabeças 235 497

Ovinocultura cabeças 40 941

Psicultura-área tanque m.quadrados 13 40.806

Sericicultura gramas /ano 1 6g.

Suinocultura cabeças 173 7.571

Outras explorações Numero de upas.

Olaria unidade 4 5???

Packing house unidade 1 ???

Pocilga unidade 193 217

Secador de grãos unidade 20 20

Barracão/galpão unid. 346 390

Barracão/bicho seda unid. 2 2

Silo para grãos tonelada 10 14.771

Silo para silagem tonelada 25 13.615

Terreiro Metros quadrados 64 24.211

Usina/destilaria Unid. 1 1(paralisada)

Olaria Unid. 6

Açude/represa Unid. 465 727

Armazém para grãos sacas 177 132.251

Máquina de beneficio Unid. 8 8

Fábrica de farinha Unid. 8 8

Estufa plast. m2. 9 7.804

Deposito/tulha Unid. 133 147

Fábrica de farinha Unid. 1 1

Barracão /granja/avic. Unid. 24 28

As unidades de construções e os equipamentos foram anotados sem levar em conta seu estado de conservação, ano de fabricação ou de construção e seus valores; consta inclusive a relação de 5 computadores usados para o controle das atividades agrícolas.

As máquinas e equipamentos agrícolas mais importantes na atividade agropecuária eram:  4 colheitadeiras de cana, 53 Colheitadeiras acopladas ao trator, 21 automotrizes, 23 irrigações auto propelidas, 62 irrigações convencionais, 46 irrigação pivot central, 11 irrigação de micro aspersão.