quinta-feira, 13 de maio de 2010

Programa Estadual de Microbacias Hidrográficas

A Secretaria da Agricultura de São Paulo, na década de oitenta, após a assinatura de convênios com órgão internacional de crédito (Banco Mundial) iniciou a implantação dos projetos do Programa Estadual de Microbacias Hidrográficas para atuar em municípios agrícolas selecionados com o “slogan”: Compromisso com a qualidade de vida.
Programa Estadual Microbacia Hidrográficas teve e tem por objetivo conservar e melhorar o solo e a água integralmente, promover e capacitar os agricultores da microbacia em produção e conservação do solo e água, na produção agropecuária, duma área geográfica delimitada por divisores de água, drenada por um rio, ou córrego, e para onde escorrem as águas da chuva. As águas das chuvas e nascentes convergem para um rio ou ribeirão, sendo o limites da microbacia os espigões ou a parte mais alta das áreas de influencia desses corpos d´água, de onde escorrem e por extensão um lago ou mesmo uma grande represa, e seus afluentes, também podem serem considerados microbacias. Foram selecionados para participar do programa os municípios que tinham maior importância agropecuária e/ou que tivessem problemas sérios de conservação do solo e da água.
A Diretoria Regional Agrícola de Sorocaba, que abrangia os municípios do sudoeste de São Paulo, desde Itararé até São Miguel Arcanjo, desde Taquarituba até Capão Bonito, selecionou as delegacias agrícolas e estas selecionaram os municípios em reuniões com os engenheiros agrônomos e veterinários.
No final da década de oitenta, ou seja, em 1984 os técnicos e funcionários, desde o escriturário até o responsável pela Casa da Agricultura foram convocados para participar de cursos de capacitação e treinamento no Centro de Treinamento de Campinas para conhecer o novo método conservacionista a ser implantado nos municípios de São Paulo, que já existia em outros estados da federação. Além disso, receberam treinamento para a execução desses serviços em Araçoiaba da Serra, na Fazenda do ministério da Agricultura em Iperó, e em Ribeirão Preto.
O objetivo primordial foi conscientizar a comunidade agrícola para a necessidade da conservação de recursos naturais e alavancar o desenvolvimento rural sustentável. Nesse sentido, incentivaria o desenvolvimento sustentável buscando eliminar o problema das erosões, recuperar as áreas degradadas, reduzir o custo de construção das estradas rurais, bem como diminuir o custo da manutenção dessas estradas, os riscos da poluição da água, e da contaminação de alimentos por agrotóxicos.
Com este programa buscava-se criar e fortalecer as associações rurais e promover condições para que os proprietários rurais participassem do desenvolvimento sustentável.
Em Taquarituba foi selecionada em 1984, em reunião com a prefeitura e a liderança rural, a Microbacia do Ribeirão do Lageado. Esta decisão foi referendada em pelo chefe de Extensão rural de Avaré: eng. agro. Bastilio Ovidio Tardivo.
Esta microbacia tinha sido selecionada e planejada em 1980 por sugestão do delegado (supervisor) agrícola eng. agro. Bastilio Ovídio Tardivo e realizado o levantamento socioeconômico de suas propriedades. Entretanto, não foi levada avante por falta de verbas e pela falta de interesse do poder público municipal. (continua no próximo post)

Nenhum comentário:

Postar um comentário