sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Agência da Estrada de Ferro Sorocabana fechou em 1969

"O Taquarituba"  de 22 de junho de 1969, Ano 1, número 1, na primeira página informa que a agência de encomendas da Estrada de ferro Sorocabana de Taquarituba, localizada na Rua Ataliba Leonel, fecharia no futuro próximo e comentava sobre a Assembléia geral do comércio sobre o assunto. Ele noticia assim:

Agência da Estrada de Ferro Sorocabana vai fechar
"Com a finalidade de participar da Assembléia Geral do Comércio, compradores de cereais e proprietários rurais estiveram nessa cidade, dia 10 último, os senhores Ismael Antonio de Oliveira, Assessor Comercial da E.F.Sorocabana, com sede em Botucatu, ,Jair dos Reis , Relações Públicas da Divisão Comercial da EFS., e Renato Fernandes, Agente Comercial, também daquela ferrovia, que a convite do prefeito deveriam realizar a aludida Assembléia.
Contudo por motivos alheios ao conhecimento deste jornal a Assembléia não foi realizada.
A reunião serviria para promover entendimentos dos usuários da rodo-ferroviária, com vistas a aumentar o volume de carga transportada, através da agência local. Se isto não acontecer, a cidade perderá possivelmente a Agência da EFS que vem em desabono ao progresso da nossa cidade, e um lamentável perda por parte de nosso município. "

Esta agência de encomendas foi implantada na década de 1960 devido à grande demanda de encomendas quando a cidade estava se desenvolvendo econômicamente e o transporte de milho era feito em grande parte pela Sorocabana. No final de 1969 esta agência foi fechada.

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Rancho Paraíso de Taquarituba

É uma associação informal fundada em 1997 por José Benini e Carlos Custódio. Localiza-se na margem direita da estrada Taquarituba - Itaberá e na margem esquerda do rio Taquari, na tríplice divisa dos municípios de Taquarituba-Itaberá-Coronel Macedo.
O terreno da associação foi comprado do Porto de Areia Itaporanga Ltda. pelos seus sócios, no final de 1997. Após a compra, uma sociedade de quatorze sócios foi formalizada e todos participam da gestão e rateiam as despesas do clube.
Tem um hectare, nas margens do Rio Taquari, com uma casa sede, com salão, e instalações para abrigar os sócios e seus familiares, e mais duas casas próprias construídas pelos próprios associados. A sede e suas instalações servem constantemente para receber visitantes e autoridades de outras cidades, sendo modelo de gestão compartilhada.

Experimentos e ensaios realizados pelo DETEC em parceria com institutos de pesquisa

O DETEC, empresa privada de assistência técnica, para ter apoio técnico científico de suas ações junto aos agricultores de Taquarituba e região fez vários convênios para realizar ensaios-experimentos com entidades públicas e privadas.

Após a criação e montagem do escritório, contratou auxiliares para a condução dos experimentos e ensaios regionais. Assim, orientada pela equipe de engenheiros agrônomos do DETEC, a técnica agrícola Wanessa de Oliveira monta, conduz e colhe os resultados dos experimentos e ensaios regionais bem como realiza testes de produtos agropecuários em culturas agrícolas regionais.
 Nos últimos anos estes trabalhos cooperativos (2000/4) foram:

1)Campo de demonstração de feijão das Águas,em 1999: tratamento de cultura do feijão das águas com fungicidas na fazenda Campos Verdes de Rodrigo Oliveira Leite, Tejupá, S.P.

2)Ensaio de herbicidas de pré-plantio da cultura da soja 2000/01 no sítio de Miguel Pulz, bairro Campos/Lageado, Taquarituba.

3) Tratamento de sementes de milho; ano agrícola 2002/3 com fungicidas na Fazenda Maruque, em Itaberá, S.P..

4) Ensaio de Variedades de Milho; na Fazenda Cerrado de Ricardo Cunha, em Itaberá, S.P., em 2003/04

5) Ensaio de cultivares hibridas de milho, na Fazenda São .João de Paulo Pulz, Taquarituba em 2001/02.

6) Ensaio de híbridos de milho para milho safrinha, safra 2002/03 na fazenda de José Ribamar, em Coronel Macedo.

7) Ensaio de cultivares de Milho fazenda Santa Maria bairro “Machula” de Bruno Daineze, Itai, na safra 2002/03.

8) Ensaio de cultivares de milho safrinha na fazenda Nossa Senhora Aparecida, bairro Barreiro, Taquarituba em dezembro 2003.

9) Ensaio de adubação foliar em milho, do elemento essencial (Zn)em 2002/03,na fazenda Bela vista bairro Barreiro, de eng. agro.Virgilio Rui.

10) Ensaio de variedades de milho safrinha 2002/03, bairro dos Campos, de Gilberto Pereira, em Taquarituba.

11) Ensaio de variedades de soja, no sitio Lageado de Miguel Pulz, safra 2001/02.

12) Ensaio de variedade IAC 18, de soja na Fazenda Nova Esperança de Ioshumaro .Ioshida, Taquarituba safra (dez./março) 2002/03.

13) Ensaio de fungicidas na cultura da soja; em 2002/03, na Fazenda Barreiro, de Luis Carlos Benini-Taquarituba.

14) Ensaio de Co-Mo,(cobalto-molibdênio)em “rizobium” de soja na fazenda Bela Vista, de Luiz Benini, Itaporanga.

15) Ensaio de fosfito( adubo foliar a base de fosforo;0,4L/há) em soja na fazenda Nobre, de Mario Yamamoto, Itaberá de outubro 2002 a fevereiro 2003(Safra 2002/3)

16) Ensaio de cultivares de feijão, na safra de 2002/03 na Fazenda Barreiro, Lauro Garbeloto, Taquarituba.

17) Ensaio de cultivares de feijão preto na safra 2002/03 na fazenda do Bairro Barreiro,Taquarituba de Luiz Carlos Benini.

18) Ensaio de cultivares de feijão das águas 2002/03, na fazenda Nossa Senhora Aparecida, de Jose´Carlos Braganolo em Coronel Macedo.

19) Ensaio de cultivares de soja na fazenda Liberdade, bairro Liberdade, em 2001/02 em Itaí,SP..

20) Ensaio de variedades de soja na Fazenda Serrinha, Taquarituba de Washington Pretell Angelis, safra 2000/01.

21) Ensaio de uso de boro em feijoeiro; fazenda Restinga Grossa, Itaí, de Bruno Dainese na safra de feijão das secas de janeiro/março de 1999,

22) Ensaio de cultivares de feijoeiro na safra das secas; no bairro dos Campos, Taquarituba de João Pereira, janeiro/abril 2001.

23) Ensaio feijão das águas de cultivares pretos, sitio Caju de Paulo Pulz, Taquarituba safra das águas, agosto/dezembro 2000/01.

24) Ensaio de cultivares de feijão das águas, de janeiro/março, de 2001/02, na fazenda Lagoa Bonita, Itaberá de Ariovaldo Filetti.

Podemos concluir que o DETEC tem sido importante difusor de tecnologia agrícola complementando o trabalho da assistência técnica e pesquisa oficial, bem como colaborando com os institutos de pesquisa para regionalizar os trabalhos experimentais agrícolas. O número e a diversidade de experimentos dão para o  DETEC  bases para uma recomendação técnica nas culturas em que presta assistência técnica.

VI Encontro de Produtores de Feijão do Sudoeste Paulista

Em 5 de julho de 1996, a Casa da Agricultura de Taquarituba, a Dira (Diretoria Regional Agrícola de Sorocaba) e a Delegacia Agrícola de Avaré realizaram em conjunto com a Cooperativa Regional Agropecuária de Taquarituba, a Prefeitura Municipal e Banco do Brasil s.a., o VI Encontro de Produtores de Feijão do Sudoeste Paulista, no recinto da Leilosul, localizado no início da estrada para Tejupá, SP.

Participaram do VI Encontro, pesquisadores, técnicos e agricultores do feijoeiro de todo o país num total de quinhentos e doze pessoas. Estavam presentes especialistas e pesquisadores do feijoeiro do IAC-Campinas, CNPAF-Goias, do Iapar-Pr, Instituto de Economia Agrícola de São Paulo, da ESALQ-USP, da Cati-Dextru; Campinas, Instituto Biológico São Paulo, Instituto Agronômico de Campinas ; IAC-Estação Experimental Capão Bonito, Cati-São Paulo, Fundação de Estudos Agrários Luiz de Queiroz(Fealq), da Unicamp-Instituto Tecnológico de Alimentos etc.

O encontro teve o apoio de várias firmas produtoras de insumos como a Bayer, a Aventis e mais cinco delas bem como o apoio da Coreata (Cooperativa Regional Agrícola de Taquarituba) além do apoio moral da Prefeitura Municipal de Taquarituba.

É interessante dizer que no Encontro foi ressaltado o papel do “caminhoneiro” autônomo como importante canal de comercialização para a venda do feijão produzido no município e região, como o foi também, no período anterior do ciclo do milho/porco e, no período de 2000/5 a Coreata(Cooperativa) tornou-se também importante canal de comercialização do feijão de mesa, comercializando o produto de cooperados e não cooperados.





quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Associação dos Pais e Amigos do Excepcional

É uma associação de pais de alunos de crianças excepcionais que funciona na Rua Itapetininga, 128. Essa instituição foi fundada em 14 de setembro de 1978, sendo sua primeira presidente Terezinha Pavan.


Funcionou em prédios alugados, tendo sua primeira sede localizada na casa de Maria Helena Gomes.

Uma lei foi criada em 1992 para oficializar a Apae no município.

No início, o transporte dos alunos excepcionais era feito pelo vereador Luiz de Oliveira, que foi seu primeiro presidente. Ele conseguia a doação de alimentos junto aos agricultores para garantir o sustento dos alunos.

Em 1999, os alunos excepcionais eram atendidos por uma equipe multidisciplinar na Rua Campos Salles, 266. A partir de 2000 passaram a ser atendidos na Rua Mal. Deodoro da Fonseca, depois na Rua Carvalho Pinto, 786 e por fim na Av. 9 de julho, 108. No final de 1999, na administração Lourenço Custódio, foi inaugurada a sede própria, na Rua Itapetininga, 128.

Foram presidentes da Apae: Terezinha Pavan (1978); Luiz de Oliveira (biênio 1979/80); Joaquim Camargo de Souza (1981/82); Benedita Alves Marcolino (1983/84); João Rodrigues de Almeida (1987/88), Manoel Agostinho de Campos (1987/88); Arminda Carolina Cardoso (1989/90); Therezinha Neide H. Pavan (l991/93); Roseli de Barros Ferreira (1993/94); Sérgio Siciliano (1994/95); Sebastião Carlos Rodrigues (1995/96); Georgina Costa de Oliveira Silva (1997/98); Valdemar Soldeira (1998/99); Geraldo Aparecido Rivera (1999/2000); Maria Florida F. Fonseca (2001/03); Eliana Regina Vieira (2004/05).

Na gestão de 2005, a presidente era Eliana Aparecida Vieira; a secretária, Rosângela Vieira da Silva e a nutricionista voluntária Maria Cardoso. Dezoito professores integravam o quadro de instrutores, que assistiam a 119 alunos excepcionais.

Equipe Paroquial de Assistência (EPA) de Taquarituba

Instituição fundada em 2004 pela Paróquia de São Roque. Funciona no Centro Comunitário na Praça São Roque e está organizada em setores: urbano, rural e matriz.


Maria Ferraz, a coordenadora em 2005, atuava com quatorze voluntários para distribuir e assistir famílias necessitadas socialmente. Nesse ano entregou uma média mensal de cento e vinte cestas básicas

A equipe recebe doações de voluntários ou determinadas pela justiça às famílias carentes.

Centro de Recuperação de Drogados Nossa Senhora da Pureza

A Igreja Católica  de Taquarituba recebeu, em 2005, doação de Olavo Gomes, num total de quinze hectares de terras, no bairro Muniz, para construir um centro de recuperação de dependentes de álcool e outras drogas.


A construção da sede foi iniciada em abril de 2006 por equipe constituída por: Olavo Gomes (doador do terreno); Ney Pèchio (engenheiro civil); João Batista de Oliveira (pedreiro); Clóvis Miranda; João Bergamo; Paulo Ferraz; Pedro Albuquerque e Valter Brizola. A supervisão da obra foi feita pelo padre José Francisco Antunes. O Centro tem a capacidade para atender vinte dependentes por vez na sua sede.

Casa da Criança

Foi fundada em 8 de agosto de 1974 por Dirceu Vaz e Josué Penna Sobrinho (“Juca Penna”). Até 1976 funcionou na Rua Floriano Peixoto, onde seria o Ginásio Bernadete L. Cláudio. Depois passou a funcionar na Rua Ataliba Leonel, 335 (casa de Vasco Barisson). Em 1978, na gestão do Prefeito Luiz Ferreira Netto(1977/82), foi doado o terreno para a construção da sede na Rua Capitão Cezário de Campos, 170.


A comunidade, com auxílio da mão-de-obra e doação dos materiais pela Prefeitura Municipal, acrescidas de verbas oriundas do governo estadual, federal e distribuídas pela Secretaria da Ação Social, construiu, em regime de mutirão, salas, salões, sala de ofícios, e sanitários. A inauguração da sede ocorreu em 1987 e foi reinaugurada em 1995, pelo Prefeito Arnon F. de Mello. Nesta época moravam algumas famílias no local que eram ligadas à Prefeitura. Além disso, a Prefeitura Municipal autorizou o funcionamento de diversas entidades no local, como o Alcoólicos Anônimos de Taquarituba.   Na gestão do médico dr. Miderson Z.Milleo (1996/2000) as famílias saíram e as entidades sociais se estabeleceram no local.

Foram presidentes da entidade: Dirceu Vaz e Geraldo Rivera, em 2005; e Iracema Vaz M. Righetto, em 2006.

Legião da Boa Vontade - Taquarituba

Fazia a assistência social na cidade de acordo com as diretrizes da LBV. Construiu uma sede na Rua Treze de Maio, que foi utilizada por diversas entidades assistenciais da cidade e foi desativada após o Governo Collor, na administração municipal do médico Arnon de Mello (1983/88).

AREATA (Associação Regional de engenheiros, agrônomos e técnicos de Taquarituba e região)

É a associação de engenheiros: civis, agrônomos, eletricistas, e técnicos agrícolas do município, com abrangência nos municípios de Taquarituba, Coronel Macedo e Itaí. Foi fundada em 14 dezembro de 2005, com sede provisória no escritório da Geo-map, na Rua Ataliba Leonel 1120.


O primeiro presidente eleito, em 2005, foi o engenheiro agônomo José Norival Augusti  e vice o engenheiro civil João Carlos Bortóti, secretária engenheira arquiteta Raqueli Fantinato, tesoureiro engenheiro agrônomo Fabiano Maurales, 1º. Suplente da diretoria: o técnico em agropecuária Celso Negrão, 2º. suplente; o técnico agrícola Rogério Hermenegildo, e conselheiros: engenheiro agrônomo Hilton Camargo, engenheiro civil Nei Eduardo M. Alves, Antônio Carlos Gomes, Gustavo Ramos, Danilo Martinelli, e o técnico Mauro Pereira da Silva.

Devido a mudança do presidente para outra cidade, na segunda reunião dia 21 de dezembro de 2005, foi empossado como presidente o vice-presidente o engenheiro agrônomo João Carlos Bortóti, e o vice presidente engenheiro civil Daniel Pereira dos Santos. Eles assumiram os cargos vagos, em Janeiro de 2006, juntamente com a diretoria na sede da Coreata, na rodovia SP-255. Foi realizada a reunião de posse e confraternização no pesqueiro dos Alves neste mesmo ano.

No dia 21 de abril de 2006 foi concedida uma placa de homenagem e gratidão ao sócio José Norival Augusti, fundador da Associação, nas instalações da Estância do Moacir, com comparecimento de quinhentos convidados, entre eles o Prefeito Municipal Itavico Dognani e senhora Irma, vereadores de Coronel Macedo e da cidade.

Loja Maçônica “Concórdia Fraterna”

A maçonaria que é uma entidade de origem francesa fundada em 24 de junho de 1717, e no município de Taquarituba foi fundada em 1985, por Antônio de Oliveira (Toninho do Cartório), José Ozório Gomes, Gilberto Zanuchi, Rafael Chamorro Pereira, Carlos Aparecido de Campos e José Luiz Cláudio.
O primeiro presidente foi o venerável Gilberto Zanuchi, seguido de Rafael Chamorro, depois Jose Ozório Gomes (advogado), e em 2004 Cláudio Bonan Nunes (advogado).
Dentre os veneráveis / presidentes da Loja mencionamos também: Antonio de Oliveira,Valdonier Barbosa, Augusto Javara, Joel Aparecido Sales, Miguel Farah, Antonio Baptista Tenca... e, atualmente,  Eduardo Veiga é o venerável presidente.
Durante seis anos, de 1987 a 2003, a entidade foi mantenedora do Asilo São Vicente de Paula, da Vila São Vicente. Em 2005 fornecia a sopa dos pobres aos carentes todas quartas feiras nas instalações da Casa do Espírita, na Av. 9 de Julho.
Em 2005 tinha 35 participantes e seu venerável presidente era o engenheiro civil Luciano Zanforlin.

A sede da maçonaria é na Rua Joaquim Gabriel 185. Antonio de Oliveira foi um dos baluartes na inciativa para a construção do Templo.

Seicho-no-ie em Taquarituba

Instalou-se na cidade em reuniões promovidas pela ação de Ângelo Martini (Fandango) e Helenice Martini sua mulher, em 1978. As reuniões iniciais eram realizadas na casa do adepto Kunio Harada na Rua 13 de Maio esquina com a Rua Benjamin Constant, e através de campanhas públicas construíram sua sede própria.


A inauguração da sede para as reuniões na Rua Avaré no.15, Vila São Vicente, foi em 17 de Abril de 1978. No início compareceram os membros da sede regional da Seicho-no-ie da regional de Ourinhos. Participam das reuniões vinte e cinco adeptos da filosofia “seicho-no-ie”.

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Igreja Matriz de São Roque de Taquarituba

Foto cedida pela esposa do Sr. Elias, um dos fotógrafos da cidade.



Igreja católica de São Roque, década de 1940. Este é o prédio que foi derrubado pelo padre Bibiano com tratores cedidos pelo Pedro de Almeida (agricultor) e Júlio Fontana (agricultor) para a construção do prédio da Matriz de São Roque atual.

Secagem de algodão na década de 1950 - Taquarituba


Algodão sendo secado em frente às casas da família Souto Vaz localizadas na Rua Ataliba Leonel, no quarteirão da Praça São Roque. Década de 1950. Autor desconhecido.

Coreto de Taquarituba


Coreto localizado na Praça principal. S/d, autor desconhecido
Panorama da cidade de Taquarituba, s/d

Foto cedida por Odete A. da Silva,  esposa e viúva do fotógrafo Elias Alves da Silva (proprietário da "Foto  Nossa Senhora de Fátima") que atuou por mais de trinta e cinco anos (desde 1966/7) na cidade.

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Família Pedroso de Taquarituba

Sebastião Pedroso, agricultor do bairro Lageado, era grande conversador e grande contador de histórias. Nos anos cinqüenta, morou em seu sítio no bairro da Estiva nas margens do Rio Taquari, onde criava porcos pelo sistema extensivo, antigo, soltos e alimentados com milho e mandioca.
Um dia, ao chegar no sítio notou que eles haviam sumido. Procurou-os fora do “cercado” e não os achou. Entrou no “cercado” dos porcos e notou um buraco grande onde ficava um pé de mandioca. Era tão grande que dava para nele entrar. Penetrou no buraco e viu que o buraco da raiz era enorme e ia longe. Percorreu o buraco e avistou uma luz no fim do túnel-raiz. Saindo do buraco, reconheceu que estava no sítio do seu cunhado no município de Itaí. Todos os seus porcos estavam ali, pois tinham atravessado o túnel pela raiz da mandioca, cavando e comendo-as. Estavam “cevados” no milharal do seu cunhado, Antônio Bento em Itaí. Conta-se que vendeu os porcos na própria propriedade do cunhado.

Fazenda de Milho Híbrido Ataliba Leonel

 A Fazenda dos Vecchi estava localizada entre Piraju e Cerqueira César no município de Manduri. Seu proprierário, o espanhol Virgilio Vecchi,  foi exilado por Getúlio Vargas durante a II Grande Guerra e morreu na Espanha. Ele produzia café e cereais com trabalhadores rurais que moravam nas casa de alvenaria de sua propriedade. Esses trabalhadores tinham um bom nível de vida porque eram bem remunerados pelo seu trabalho. Essas informações foram coletadas com um descendente de espanhol que morou na fazenda Santo Antonio, atual Fazenda de Milho Híbrido Ataliba Leonel. No site da Cati consta que a fazenda pertencia à Nhonhô Braga, coronel de Piraju.

A fazenda, após a guerra, foi desapropriada pelo governo federal e cedida ao estado de São  Paulo. Tornou-se então a Fazenda de Milho Hibrido “Ataliba Leonel”, alocada no Departamento de Sementes e Mudas da Secretaria da Agricultura, que produz e fornece várias sementes básicas aos Postos de Sementes para boa parte do Estado de São Paulo. Portanto, ela é um pólo multiplicador de sementes básicas originadas do Instituto Agrônomico de Campinas, além de testar variedades e espécies originadas de estações experimentais das várias regiões do Brasil. As variedades produzidas são enviadas aos Postos de Sementes de São Paulo para serem novamente multiplicadas e enviadas às casas da agricultura. Também faz experimentos regionais de variedades de sementes básicas fornecendo-as para o governo federal.

Toda as sementes que a Casa de Agricultura de Taquarituba recebia do Posto de Sementes de Avaré era originária das sementes básicas produzidas na Fazenda de Milho Híbrido Ataliba Leonel.
Veja o site da Fazenda em http://www.cati.sp.gov.br/Cati/_produtos/SementesMudas/unidadesDSMM/ataliba/ataliba.php




A política agrícola Ademarista nos anos sessenta

Na eleição para governador de 1962/63, o engenheiro agrônomo regional da Casa da Lavoura de Taquarituba Osvaldo Castelucci recebeu um telefonema noturno do Chefe de Gabinete do então Secretário da Agricultura comunicando-lhe que seria encaminhado á Casa da Lavoura um conjunto de tratores que deveria desfilar pela cidade e ficar na repartição até o final das eleições. Deveria então ser dito a todos que as máquinas e equipamentos (tratores, arados e grades) ficariam na cidade para preparar terras para os agricultores do município. Mas dias depois do desfile deveria providenciar reservadamente a remessa dessas máquinas e equipamentos de volta ao Dema (Departamento de Mecanização Agrícola). Foi o que aconteceu. Osvaldo Castelucci conta que, para não criar problemas com os agricultores e evitar a animosidade dos políticos e lideranças locais saiu da cidade, só voltando após as eleições.

Milã Rodrigues e o caso do comício

Valdomiro Rodrigues, conhecido como “Milã Rodrigues”,  foi vereador em Taquarituba nos anos cinqüenta-sessenta. Era comerciante de secos e molhados, depois de ferramentas em geral. Cumprimentava os conhecidos com a frase: “Vai chover! Bem preciso ir”. Colocava a mão espalmada na testa, continuava: Ah sim, pois não. Até logo, então! Por trás todos riam de seus cumprimentos.


Era um gesto histórico da cidade o “Milã” receber os políticos e dentre eles Araripe Serpa, “janista” histórico. Araripe Serpa fez uma reunião no Bar Santo Antônio em 1962, na Praça São Roque, com direito a degustação de leitoa e arroz com frango após o comício. O “povão” invadiu o Bar, deixando o político Serpa e o Antonio “Milã”, “na mão”, sem comer a leitoa. Foi necessário improvisar sanduíches de mortadela para os “janistas”como era de praxe.

Vereador Cearense e o Muro de tábuas de madeira

 Na década de sessenta (entre 60 e 65), quando a cidade era toda de terra vermelha, na época das secas, o vento cobria todas as casas de pó vermelho o vereador José “Cearense”, cunhado do Josué Penna (“Juca Penna”) apresentou um projeto na Câmara para que a prefeitura cercasse a cidade com um muro de tábuas de madeira para evitar que a ventania e a poeira sujasse as roupas de suas eleitoras. O projeto não foi aprovado.

Família Pereira dos Santos de Taquarituba

 O agricultor Ascindino Pereira dos Santos, que veio em 1953 de Guarei,S.P. para Taquarituba, comprou e começou a plantar 24 hectares de milho no Bairro dos Campos na chamada Chácara do ‘Mestre” e com os lucros da primeira plantação comprou outro sítio de 72 hectares do antigo dono Antonio de Campos, que arrendava para o mesmo Ascindino. No final de sua vida, nos anos 80, tinha 1200 ha., formou os dois filhos engenheiros na Universidade de São Paulo. Foi conhecido na cidade pela frase “Se Deus quiser  tudo dá certo”, que falava sempre que encontrava e cumprimentava qualquer conhecido.

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Curso de formação de líderes rurais cooperativistas







Primeiro curso de Formação de Líderes Rurais Cooperativistas realizado pela Cooperativa Agrícola de Cotia e FECAESP(Federação de Clubes Agrícolas do Estado de São Paulo), em 1962 na fazenda Moinho Velho em Cotia, SP. Deste curso participaram líderes de clubes agrícolas da cooperativa de Cotia do Brasil inteiro.
Na primeira foto, de cima para baixo, o segundo da esquerda para a direita é o diretor da Federação de Clubes Agrícolas do Estado de São Paulo, o engenheiro agrônomo Dimer Cornélio Acorsi. Ao seu lado, quatro funcionários da FECAESP e os três estagiários.

Na segunda foto, de cima para baixo, da esquerda para a direita estão os quatro estagiários da ESALQ - José Norival Augusti, Mitsuohico Tsuhaco, Verino Ramos Cruz e Tutomo Honda - que  na ocasião receberam um arranjo de flores como homenagem dos participantes.
Depois de formado, após 1966, fui trabalhar na Casa da Agricultura de Taquarituba, SP. Visitando o depósito e escritório regional da Copercotia de Itaporanga mantive contato com o gerente que tinha participado do curso acima mencionado e prestei assistência técnica para um produtor de batata e feijão no bairro Barra Grande de Coronel Macedo que também havia participado deste curso.

Visita de técnico agrícola em algodão em Taquarituba, SP

Á direita, José Norival Augusti e à esquerda técnico agrícola . A foto mostra a avaliação de danos de granizo (chuva de pedras) em cultura do algodoeiro, na Fazenda Pinhal, de propriedade da familia Pavan, bairro Pinhal, no ano agrícola 1974/75, para indenização do seguro Cosesp, avaliado pelo engenheiro agrônomo da companhia seguradora (na foto). O Campo de algodão tinha contrato de produção de Sementes com o Posto de Sementes Avaré,S.P.

Escola Estadual José Penna

Primeiro ginásio estadual do município, foi criado em primeiro de outubro de 1957, pela lei estadual 4205, pelo deputado estadual Roberto C. de Abreu Sodré, sancionada e construída pelo governador Jânio Quadros. Funcionava na rua Floriano Peixoto 989 e seu primeiro diretor foi Osvaldo B. Contruccci. Começou a funcionar em 4 de Fevereiro de 1958  com 74 alunos no exame de admissão, sendo 62 aprovados.  Consuelo Gonçalves foi responsável pela aula inaugural.
Na década de sessenta foi diretor da escola o professor e depois advogado José Carvalho.
O Ginásio Estadual José Penna foi um dos primeiros ginásios da região. No ano de 1963 foi criada e formalizada a 1ª. Feira de Ciências de Taquarituba pelo prof. Guido Dias de Almeida, e, em 1964, a 2ª Feira. Foi a primeira escola estadual a usar deste método de ensino no curso de Ciências no Estado de São Paulo e que depois se espalhou por todo o Brasil. O diretor da Escola era o professor José Pires de Carvalho que incentivou e possibilitou estas atividades.
A diretora em 2005 era a prof. Cristina Zacaro Corvileo. Neste ano a escola contava com  1.228 alunos, em 33 classes, sendo 18 classes do Ensino Médio.
Em 1963 a escola passou a funcionar num prédio novo rua Cel. João Quintino 513 .
Atualmente Escola Estadual José Penna está localizada na Rua 24 de Dezembro 559.