segunda-feira, 20 de dezembro de 2010


Mata do Eugênio, HIlton Camargo, 2010
A mata do Eugênio foi declarada de utilidade pública por decreto municipal da década de oitenta. 


O Horto Florestal de Avaré, gerenciado pelo engenheiro agrônomo taquaritubense Hideio Aoki, cedeu todas as mudas para o reflorestamento desta área da Mata. O plantio das mudas foi realizado pelos funcionários da Prefeitura Municipal orientados por mim e gerenciado pelo vice-prefeito Laércio Pinto Gonçalves.  Atualmente, não há diferença entre a mata plantada naquela época e a mata original, pois as mudas de árvores nativas foram adubadas e calcariadas para refazer a fertilidade do solo.







Casa do Espírita: Amor e Caridade

Casa do Espírita: Amor e Caridade, Taquarituba, SP


Foram feitas doações de terrenos para várias entidades quando da abertura de novas ruas e novas instalações pelo prefeito Antonio Rodrigues( Ico) na década de sessenta na cidade de Taquariruba. A sede da Casa do Espírita Amor e Caridade foi construída após a doação do terreno pela Prefeitura  Municipal de Taquarituba. No fundo do prédio da Casa do Espirita, nas décadas de 1960-1970,  funcionou um albergue noturno onde qualquer viajante e familiares recebiam alimentação, roupas lavadas, pousada por um dia ou mais.
A verba para a realização de suas atividades provinha da comunidade e também da administração pública.
Na parte da frente ocorriam as reuniões dos seguidores de Allan Kardec.

Rotari Clube de Taquarituba

Prédio do Rotari Clube, Hilton Camargo, 2010


Leia sobre o Rotari Clube em http://fiosdamemoria.blogspot.com/2008/12/rotari-clube-de-taquarituba.html

Estádio Municipal Ciro de Campos - Taquarituba, SP


Entrada do Estádio Municipal Ciro de Campos de Taquarituba, Hilton Camargo, 2010




Este Estádio foi construído pela  AAT (Associação Atlética Taquariense) na década de 1960 e foi incorporado recentemente pela Prefeitura Municipal.

Parque Ico Rodrigues



Vista do Parque do Ico Rodrigues de Taquarituba, SP






sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

A perseverança e o trabalho de um lavrador: Ascindino Pereira dos Santos

O lavrador Ascidino Pereira dos Santos chegou em Taquarituba de Guarei (S.P) em 1953. Começou a plantar 24 hectares de terra no Bairro dos Campos - Chácara do ‘Mestre’ - e depois comprou outro sítio de 72 hectares de Antonio de Campos. Após 50 anos de trabalho e perseverança na agricultura tinha 1200 hectares e formou todos seus filhos na Universidade de São Paulo.
Ele era conhecido pela frase “Se deus quiser tudo da certo”. 

Taquarituba e a Revolução Constitucionalista (1932)

Na chamada Revolução Constitucionalista (1932) São Paulo se rebelou contra o governo federal que, ainda em 1932, não demonstrava vontade política para a adoção de uma nova Constituição que era aguardada pelos brasileiros desde 1930. Em especial, os paulistas estavam descontentes com esta situação entrando em guerra contra o governo federal.
Contam os taquaritubenses que em agosto de 1932 as cidades de Taquarituba, Taguaí e Fartura foram palco da luta dos paulistas contra os gaúchos (que lutavam pelo governo federal) que se abrigavam nas fazendas da região durante os bombardeios aéreos.
As tropas gaúchas se abrigaram nas fazendas do Soldeira e Dalcin de Taguaí e mataram o gado delas para “charquear” e com elas tratar a tropa conforme contam os participantes dos fatos dessa época.
Em Taquarituba os gaúchos requesitavam alimentos e bebidas das casas comerciais para suas tropas.  
Após a notícia de que as tropas paulistas estavam combantendo ao norte do Estado de São Paulo os gaúchos partiram para o sul do Brasil.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Casamento caipira em prol da construção da Santa Casa

O casal Corali Calabrez, à direita; ao fundo estão Antonio Batista Tenca; à esquerda, representando o padre José Norival Augusti.


O casamento caipira foi realizado no Grupo escolar Julieta Trindade Evangelista para arrecadar fundos para a construção da Santa Casa de Taquarituba (1967). O evento foi promovido pelos "leões" e "domadoras" do Lions Clube de Taquarituba e seus familiares.

Jantar festivo do Lions Clube de Taquarituba- década de 1960

Da esquerda para a direita, José Norival Augusti, José da  "Santa Terezinha", Joel Gomes e outros.


O jantar foi realizado no bar restaurante Santo Antonio de Manoel Alher localizado na Praça São Roque em Taquarituba.
Destaco um detalhe na imagem: a bandeira e o estandarte do Lions Clube entre as bandeiras do Brasil e  do Estado de São Paulo.

Dia de campo - CATI - Agropecuária Ioshida

Agricultores e engenheiros agrônomos verificam a produtividade e variedade do feijoeiro

Dia de Campo da cultura de feijoeiro da Agropecuária Ioshida na Fazenda Ribeirão Bonito de Lauro Garbelotto, Bairro Barreiro-  final da década 1990.

Participaram deste Dia de Campo, Jairo Lopes de Castro(chefe da Estação Experimental de Capão Bonito do Instituto Agronômico de Campinas), técnicos, engenheiros agrônomos e muitos produtores de feijoeiro da região.

O Dia de Campo mostrou as novas variedades de feijoeiro e sua resistência ás doenças de fungos, principalmente a resistência ao mosaico dourado (GMV).

Vista parcial da zona rural de Itaí, município vizinho de Taquarituba

Vista a  partir da parte mais alta do bairro Santa Terezinha,com vista para a represa de Jurumirim, vendo-se no meio do cerrado duas casas de lavradores construídas de pau a pique  .  A foto foi tirada quando Itai foi atendida por mim e os técnicos do Consórcio de Promoção Social Itaí-Panapanema-Taquarituba-Arandu.  Atualmente, ocorreu  a modernização deste bairro,  mas naquela época a condição socioeconômica da população era precária.  Década de 1970

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Programação de Missas, batizados e casamentos realizados na Paróquia de São Roque de Taquarituba - 1978


A cópia da programação dos ritos religiosos da Paróquia de São Roque do município de Taquarituba  indica o alcance, predominância e prestígio da Igreja Católica Apostólica Romana. Pode se notar que havia igrejas católicas em todos seus bairros rurais e urbanos de Taquarituba .

Experimento regional de cultivares de feijoeiro no Bairro do Pico, Lageado (CATI-IAC-CA)

Campo de experimento de feijoeiro, década de 1980
No centro da foto, o engenheiro agrônomo da Casa de Agricultura de Itaí, José Levy P. Montebelo; à direita, o produtor agrícola Acácio de Oliveira e seu filho. Este experimento tinha por objetivo determinar as melhores variedades-cultivares de feijoeiro e foi cooperativo da Casa de Agricultura-CATI com o Instituto Agrônomico de Campinas (IAC) e estava na Microbacia Ribeirão do Lageado no bairro do Pico Lageado.



sábado, 27 de novembro de 2010

Experimento agrícola na Fazenda Ribeirão Bonito


1a. foto

2a. foto
A 1a.foto  é está o auxiliar técnico da Casa de Agricultura de Taquarituba Luiz V.Fontana, iniciando a colheita dos cultivares "maduros"em processo de colheita e que foi feita em três etapas.

2a.foto: O assistente de Fitotecnia do Escritório de Desenvolvimento Regional Agrícola de Avaré; Silvio, vistoriando as qualidades técnicas dos cultivares de feijoeiros, acompanhado pelo eng. agro.José  Norival Augusti da Casa da Agricultura na Fazenda Ribeirão Bonito de Pedro José de Almeida (ano agrícola 1999/2000)

As duas fotos são do mesmo local só que em épocas diferentes - Fazenda Ribeirão Bonito, bairro Barreiro-Ribeirão Bonito, de Pedro José de Almeida - e o experimento é cooperativo com o Institiuto Agronômico de Campinas,S.Paulo-EDR-Avaré.

Vista lateral do Silo da Cooperativa Mista de Arapoti, Pr, localizada em Taquarituba


No plano de fundo estão as instalações (Silo Horizontal)  da Cooperativa Mista de Arapoti, Paraná. Augusti, 2010. 



Este silo horizontal  e os armazéns ao seu lado foram contruídos em 1970 pela CEAGESP (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo). Foram comprados pela Coreata e recentemente incorporados pela Cooperativa Mista de Arapoti (CAPAL) do Paraná.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Conservação do solo em Taquarituba, SP

A conservação do solo em Taquarituba começou efetivamente no início dos anos sessenta quando o eng. agro. da Casa da Lavoura Nilson Ramos Righi marcou os primeiros níveis para o plantio de café Mundo Novo nas propriedades de Dorival Dognani, no Bairro Leite-Lageado (Lajeado) e de Pedro de Almeida, no bairro Cerrado. As sementes e mudas de café foram plantadas pelo próprio engenheiro Nilson R. Righi.

Esses foram os primeiros plantios na região deste novo cultivar de Café Mundo Novo do Instituto Agronômico de Campinas. Além de serem  também os primeiros plantios de de café em "nível" (nivelado) no município e com novos cultivares (Mundo Novo) em 1963.

Depois disso, "plantios em nível" de cana de açúcar foram feitos na fazenda Matão adquirida pelo patriarca dos Casteluccci, oriundo de Piracicaba. Foi Osvaldo Castelucci, filho do proprietário desta fazenda, que fez este plantio em nível  antes da inauguração do seu “engenho de pinga” em 1962.

No município de Taquarituba, assim como em outros, recém desbravados o trabalho dos engenheiros agrônomos para a conservação do solo  esbarrava com um fator negativo: a falta de preparo adequado do solo e da mecanização; a existência de tocos e troncos de grandes árvores nos terrenos que o fogo (técnica primitiva de limpeza dos terrenos para plantio) e arados primitivos não conseguiam acabar; restevas e sobras das culturas anteriores, bem como a grande quantidade de matéria orgânica que evitava a erosão.

Além disso, a Casa da Lavoura não contava com um nível de engenharia com técnicos para as marcações que existiam na época somente em Avaré. Os auxiliares-técnicos vinham para Taquarituba. Citamos alguns dos auxiliares-técnicos que trabalharam para marcar os níveis no município e orientar as construções de terraços e curvas de níveis: José Cassola, Oziris Mendes Martins, José Maria.

 
No ano de 1968/69 foi demarcada uma área de 85 hectares para o plantio de 40.000 pés de laranja e limão na Fazenda Barra Grande (antes pertencente José de Campos,conhecido por Zé Leitoa) demarcado pelos auxiliares de Avaré. Em 1988 foi novamente demarcada pelos auxiliares de Taquarituba(Antonio Jose/Antonio Luis de Paula) esta área após o pomar ser erradicado para renovação. Esta propriedade atualmente pertencente à firma Castelfranco, sucessores da família Pavan/Franco.

A partir do início dos anos setenta, com a entrada de agricultores da região de Campinas, como a família Pavan de Paulínia; Castelucci de Piracicaba; os Defaveri, Pulz, Caron, Faveri de Artur Nogueira, Braganholo de Tiete/Tatuí, a “tratorização” das lavouras, a marcação de curvas de nível e terraços começou a acontecer pelo “efeito demonstração”, provocando a procura por marcação de níveis na e terraços Casa da Agricultura. Além disso, a partir de 1972, teve início o crédito rural semiorientado do Banco do Brasil S.A. que fez com que os agricultores procurassem a Casa da Agricultura para marcar as niveladas com níveis históricos (de borracha) e orientar-se sobre o terraceamento de suas lavouras de algodão devido à necessidade de conservação do solo nas regras do Seguro Rural exigido pelo seguro da Cosesp (Companhia de seguros do Estado de São Paulo) e Proagro (Programa de Seguro de Crédito Rural).

Nesse ínterim houve o incentivo do plantio de café pelo Estado de São Paulo, do IBC-Gerca. Para o seu plantio fazia-se necessário o plantio em nível com ou sem terraceamento, dependendo da inclinação do solo, complementando ao final do Plano de Renovação Cafeeira a marcação de niveladas de 1.350.000 covas no município e 380.000 pés em Coronel Macedo que foi atendido pela Casa da Agricultura de Taquarituba, de 1972/75 e, posteriormente, a marcação de mais 350.000 pés, no município e 150.00 pés em Coronel Macedo após a grande geada de 1975 e a pequena de 1979.

Iniciou-se após 1985  o período da conservação do Solo em Micro Bacias, método conservacionista integral do solo e da água, protegendo o agricultor e dando condições para o seu desenvolvimento econômico, abrangendo uma área influenciada por um curso de água, rio mesmo um ribeirão. No município de Taquarituba, este programa  foi iniciado com a Micro bacia Ribeirão do Lageado, que nascia ao norte da cidade de Taquarituba, passava ao lado da mesma, e abastecia a cidade com sua água após tratamento (na Estação de Tratamento). Nesta micro bacia foram demarcados 1.720 hectares de nível, terrraceados aproximadamente 900 hectares, complementando a área com niveladas, e plantados em nível o terreno restante da microbacia. Os níveis foram demarcados pelos técnicos agrícolas Antonio Jose de Oliveira,/A.Luis de Paula e os serviços de terraceamento e “embaciamento” foram realizados pela Codasp de Avaré, em dois anos 1985/86. O terraceamento é um método conservacionista, que usa um terraceador mecânico ou arado reversível, de preferência para fazer canais e lombadas, em intervalos do declive do terreno para “segurar” ou reter as águas das chuvas entre esses mesmo canais e terraços em terrenos com declividade.

Após esta demarcação e construção das bacias de contenção das águas vizinhas das estradas foi finalizada a estrada margeando a Microbacia Ribeirão do Lageado, que vai da cidade no Distrito Industrial ao Bairro dos Leite-China(Coronel Macedo) e retificada e “embaciada” nos seus dezesseis (16) quilômetros e foi “cascalhada” nos locais de maior declividade de encalhe, em 1987/88. Depois desses trabalhos iniciais, iniciou-se a micro bacia do ribeirão dos Aleixos e das Palmeiras.

Após este projeto, várias estradas receberam o Projeto “Os melhores Caminhos”, desenvolvido na década de 1990, que  perenizou a estrada dos Baianos-Pedregulho, do bairro Medonho, do núcleo-bairro do Aleixo e das estradas do bairro Palmeiras-Matão, incluídos no projeto de tornar as estradas rurais transitáveis o ano todo.

Entre o final da década de 1990 e início de 2000, os serviços de demarcação das bacias de captação de água da chuva na estrada Taquarituba sentido  Bairro dos Baianos e do Aleixo foram orientados pelo técnico agrícola Edson R. de Campos Pedroso.


A Casa da Agricultura em parceria com a Prefeitura municipal deu continuidade ao Programa de Microbacias com  mais técnicos agrícolas e engenheiros agrônomos que favoreceu o trabalho de “perenização”  para  tornar as estradas transitáveis o ano todo e melhorar as estradas rurais usando o método conservacionista de bacias de contenção nas margens das estradas conhecidas como microbacias.

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Documentos: Convite da instalação da Comarca de Taquarituba e cardápio do banquete, 1969

Capa do Programa de instalação da Comarca de Taquarituba, 1969

Convite da solenidade de instalação da Comarca de Taquarituba, 1969

Capa do cardápio do banquete realizado por ocasião da instalação da Comarca de Taquarituba no Centro Recreativo em 22 de janeiro de 1969

Cardápio do banquete realizado por ocasião da instalação da Comarca de Taquarituba no Centro Recreativo em 22 de janeiro de 1969

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Documento: Cadastro de propriedades rurais do município de Taquarituba (1964)

Primeira página da "Relação das propriedades rurais do município de Taquarituba: suas dimensões e respectivos donos" - Prefeitura Municipal (26 de outubro de 1964) - 12 folhas
Última página da "Relação das propriedades rurais do município de Taquarituba: suas dimensões e respectivos donos" - Prefeitura Municipal (26 de outubro de 1964) - 12 folhas


Antes da "Revolução de 1964",  denominada assim pelo governo, os impostos territoriais rurais eram lançados e cobrados  pelas prefeituras municipais brasileiras. Maria Aparecida Bueno, lançadora municipal de Taquarituba, cadastrou 613 propriedades rurais em 26 de outubro de 1964  conforme consta em cópia da primeira e última página (acima inseridas) no documento da Prefeitura Municipal. Após 1966, com a criação do Instituto Brasileiro de Reforma Agrária (Ibra) e o Instituto Nacional de Desenvolvimento Agrário (Inda)* os impostos territoriais rurais passaram a ser cobrados por esses institutos e repassados à prefeitura municipais após o recolhimento descontada a taxa de cobrança.


*   "Em 4 de novembro de 1966, o Decreto nº 59.456 instituiu o primeiro Plano Nacional de Reforma Agrária, que não saiu do papel. Em 9 de julho de 1970, o Decreto nº 1.110 criou o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), resultado da fusão do Ibra(Instituto Brasileiro de Reforma Agrária) com o Inda(Instituto Nacional do Desenvolvimento Agrário)." Informação extraída do site do INCRA (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) http://www.incra.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=category&layout=blog&id=270&Itemid=288

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Taquarituba: relação de terras (INCRA, 1967)

Relação de terras de Taquarituba segundo o INCRA -1967:


Áreas...............no. de propriedades.......total em hectares.

0,1 'a 1,0 ha....... 9.....................................3,0 ha.

1,01 'a 2,0 ha,......11 ................................15,0 ha.

2,01 'a 3,0 ha.......19 ........................... ...46,0 ha.

3,01 'a 5,0 ha.......79...............................316,0 ha.

5,01 'a 10,0ha....105.............................1.121,0 ha.

10,01 'a 20,0ha...283............................4.347,0 ha.

20,01 'a 30,0ha...211............................5.188,0 ha.

30,01 'a 50,0ha..260..........................10.295,0 ha.

50,01 'a 100 ha...254..........................18.108,0 ha.

100,01'a 200 ha..147...........................20.419,0 ha.

200,01 'a 300 ha. 57...........................13.802,0 ha.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

CAMPANHA DE COMBATE À FORMIGA SAUVA

Follheto que o engenheiro agronômo Verino Ramos Cuz dustribuiu para os lavradores de Santa Cruz das Palmeiras em 1969. Este folheto serviu de modelo para a Campanha realizada pela Casa da Agricultura de Taquarituba  em 1970 quando se iniciou o plantio de algodão em maior escala na região.Logo depois, no Governo Abreu Sodré, Herbet Levy  na gestão do secretário da Agricultura  foi criada a Campanha do formicida Mirex para o controle da sauva o que levou a grande venda  deste produto pela Casa da Agricultura, possibilitando a cultura do algodão de Taquarituba anteriormente denominada Formiguinhas do Taquary devido ano grande número de formigueiros existentes. Na ocasião foram vendidos 53 barricas de vinte e dois quilos fraccionadas em quilos para os pequenos agricultores.


Experimento regional de cultivares de feijão-CATI-IAC-CA.

Ensaio Regional de cultivares do feijoeiro de mesa (EDR-CIA-C.A), safra 1996-1997,  na propriedade Ribeirão Bonito de Pedro José de Almeida (Pedro Mineiro) no bairro Barreiro-Ribeirão Bonito-Taquarituba, S.P. Ele foi o colaborador-cooperador voluntário do experimento. Neste experimento teve também a participação do EDR-Avaré-Instituto Agronômico Campinas-Casa da Agricultura, Taquarituba.S.P.


Na primeira foto, de cima para baixo, vemos Edson Ramos Pedroso ( técnico agropecuário da Casa da Agricultura de Taquarituba) vistoriando o experimento agrícola regional do feijoeiro de mesa.  




Na foto acima vemos o engenheiro agrônomo José Norival  Augusti apontando para um dos cultivares do feijoeiro mais desenvolvido do experimento regional, na propriedade Ribeirão Bonito em Taquarituba.


Na foto acima vemos Luis Vicente Fontana, auxiliar técnico da C.A., no início da colheita do feijoeiro. Destaca-se na imagem os sacos individuais por "canteiro" com (5) cinco repetições. É a fase da colheita do experimento do feijoeiro. Do lado direito do experimento pode-se ver uma área da cultura do feijoeiro colhido a mão e recolhido, beneficiado e ensacado com máquina.








sexta-feira, 15 de outubro de 2010

LEVANTAMENTO DAS UNIDADES PRODUTIVAS AGRICOLAS (LUPA) 2007/8: Uma aproximação analítica

O levantamento das unidades produtivas agrícolas de São Paulo, realizada a partir do ano 1999-2000 pelos técnicos e engenheiros agrônomos das Casas da Agricultura fez parte dum projeto da Coordenadoria de Assistência Técnica Integral e o Instituto de Economia Agrícola de São Paulo com objetivo de se conhecer a realidade agropecuária do estado, como um todo, de uma maneira direta e objetiva.

Em levantamento de 1999/2000 foram aplicados questionários com perguntas aos proprietários ou seus representantes, após motivação, abrangendo todas as atividades das propriedades ou unidades produtivas agrícolas, coletadas, levadas aos escritórios regionais, e que por sua vez encaminhava à central de recebimento para digitação e de análise dos dados.

Como a agricultura é dinâmica e as unidades produtivas agrícolas mudam constantemente de proprietários e de exploração agro-pecuária a cada dois anos vinte por cento dos levantamentos são refeitos.

O primeiro levantamento teve muitas imperfeições sendo o mais evidente (pelo menos na nossa região) devia-se a inexistência de GPS, que foi essencial para evitar o levantamento duplicado. No nosso município o levantamento inicial foi referenciado através do uso das cartas geográficas do IBGE, que carregou os erros normais de localização e sem o “referenciamento” geográfico com o GPS(global position systems).

Apesar de todas estas dificuldades o levantamento foi realizado pelos técnicos da Casa da agricultura, com a assessoria técnica do escritório de Desenvolvimento Agrícola de Avaré, que mandou vários técnicos da região para terminar o Projeto. Esta ajuda foi boa mas ao mesmo tempo ocasionou duplicação de unidades produtivas e entrada em municípios vizinhos agrícolas devido ao desconhecimento das divisas do município. Por isto que as vezes nos levantamento novos algumas propriedades deixam de existir.

No LUPA de 2007/8 foram levantados os dados que são muito diferentes dos anteriores, denotando uma mudança dinâmica da agricultura e pecuária local, não só no número de proprietários mas também na exploração agropecuária. Notou-se também que a área levantada total de 418,043Km.2 é menor que a área física do município que segundo o IBGE é de 448,1 km quadrados,(452,0km2 do Seade), mostrando que há uma indefinição dos limites do município, e talvez desconhecimento desses limites pelo funcionário que fez o cadastro ou de suas áreas que podem ter sido super estimadas pelos seus proprietários.

seguem alguns dados estatísticos para posterior revisão do levantamento 2007/2008, com alguns dados principais, e que são periodicamente revisados pelos funcionários técnicos e administrativos das Casa da Agricultura dos municípios:

DISTÂNCIA das propriedades da sede do município
Área total : 41.804,3 hectares com 1.021 unidades produtivas agrícolas.
Quadro Geral da produção: ITENS ÁREAS
AREA TOTAL - Número de Unidades produtivas agrícolas (UPAS)

Distância da  sede do município: de 0,1Km. a 34 Km. 

Área total do município levantada................................................41.804,30 há.

Área de cultura perene... 108 UPAS....com área total...................1.317,20 há.

Área de culturas temporárias 705 UPAS... ...................................20.939,80 há.

Área com pastagens............. 747 UPAS.......................................14.191,50 há.

Área de reflorestamento ...... 154UPAS....................................... 314,20 há.

Área de vegetação natural.... 729UPAS........................................ 3.072,10 há

Área de brejos e várzeas..... 409 UPAS..........................................1.192,20 há.

Área em descanso.................214 UPAS.......................................... 79,50 há.

Área complementar...............995UPAS............................................ 697,80 há.

As áreas foram somadas de acordo com os tipos de ocupação. Nota-se que a área levantada é maior que a área física, devido a alguma diferença dos limites do município ou mesmo porque essa área pode ser da represa de Jurumirim que limita o município em sua parte no-noroeste e devido a  falta do GPS e do conhecimento de divisas que também pode ter alterado estes limites e anexado algumas propriedades ao município de Taquarituba.

A estratificação das áreas das unidades produtivas agrícolas mostra que a distribuição de terras produtivas no município é muito grande, como se pode ver na relação abaixo transcrita do LUPA (levantamento de unidades produtivas agrícolas). Entretanto, não são necessariamente propriedades agrícolas pertecentes a proprietários, pois podem ser unidades agrícolas produtivas de terras que foram  arrendadas, ou produção a "meia " ou a "terça" 

Esta divisão pode ser explicada pela origem dos colonizadores, pelo tipo de exploração, que ao não produzir o suficiente para uma vivência promovia a divisão com estranhos e entre os familiares (como ocorreu em Caxias do Sul, entre as famílias de viticultores, no século XX), promovendo uma distribuição agrária, quase que socialmente ideal das terras em Taquarituba.

A distribuição de propriedades e de produtores do município pode ser avaliada por esta relação, resultado do LUPA (Levantamento da Unidade Produtiva Agrícola) de 2007/8, e que pode ter se modificado muito pouco nos dois últimos anos.

Estatísticas agrícolas do município de Taquarituba, S.P. Ano agrícola de 2007/8.

Detalhes do levantamento LUPA do município:

Distância a sede do município das UPAS: das 1021 propriedades levantadas as distâncias mínimas foram de 0,1km, distâncias médias de8,5 km e distância máxima 34,0 quilômetros, da sede.


Upas com 0 a 1 há. 13 unid. 0,2 ha 0,4 há. 0,9 há. 5,50 há.

Upas com 1 a 2 há. 23 unid. 1,2 há. 1,7 há. 2,0 há. 38,40 há.

Upas com 2 a 5 há. 123 unid. 2,1 há. 3,7 ha 5,0 há. 451,60 há.

Upas com 5 a10 há. 172 unid. 5,2 há. 7,5 há. 9,9 há. 1.260,00 há.

Upas com 10 a 20 ha. 218 unid. 10,3 há. 14,9 há. 20,0 há. 3.249,40 há.

Upas com 20 a 50 há. 273 unid. 20,2 há. 31,6 há. 49,2 há. 8.637.50 há.

Upas com 50 a 100 116 unid. 50,8 há, 72,5 há. 99,2 ha. 8.415,50 há.

Upas com 100 a 200 47 unid. 100,6 há. 137,1 há. 193,6 há. 6.445,80 há.

Upas com 200 a 500 33 unid. 204,5 há. 324,1 há. 485,2 há. 10.695,90 ha.

Upas com 500 a 1000 2 unid. 609,7 há. 664,9 há. 720,0 há. 1.329,70 há.

Upas com + 1000 ha 1 unid. 1.239,0 há. 1.239,0 ha 1.239,0há. 1.239,00 há.

Fam.trabal. Totais: 953 Mini/ 1,0 Media 1,9 Maxi 10 Totais 1.853 pessoas

Trab. Perm. Totais: 156 Min/ 1,0 Média3,1 maxi 91 Totais 509 pessoas

A exploração de animais em 2007/8 teve produção de bovinos de corte, misto e de leite, asininos, muares,caprinos, equinocultura, ovinocultura, piscicultura (tanques), sericicultura e suinocultura. A mais expressiva de todas era a suinocultura com uma população de 7.571 suinos.

A produção animal que nunca foi significativa no município, foi levantada e mostrou os seguintes criações e suas características: em 2007/8

ITEM UNIDADE NUMERO UPAS TOTAL

Bovino de corte cabeças 211 12.338

Bovino de leite cabeças 229 3.26 3

Bovinos mistos cabeças 327 6.776

Apicultura colméias 2 40?

Asininos e muares cabeças 42 62

Avestruz e emas cabeças 1 8

Avicultura de corte cabeças 63 6.518

Avicultura ornamental cabeças 16 518

Avicultura ovos cabeças 192 6.018

TOTAL

Caprinos cabeças 11 82

Equinocultura cabeças 235 497

Ovinocultura cabeças 40 941

Psicultura-área tanque m.quadrados 13 40.806

Sericicultura gramas /ano 1 6g.

Suinocultura cabeças 173 7.571

Outras explorações Numero de upas.

Olaria unidade 4 5???

Packing house unidade 1 ???

Pocilga unidade 193 217

Secador de grãos unidade 20 20

Barracão/galpão unid. 346 390

Barracão/bicho seda unid. 2 2

Silo para grãos tonelada 10 14.771

Silo para silagem tonelada 25 13.615

Terreiro Metros quadrados 64 24.211

Usina/destilaria Unid. 1 1(paralisada)

Olaria Unid. 6

Açude/represa Unid. 465 727

Armazém para grãos sacas 177 132.251

Máquina de beneficio Unid. 8 8

Fábrica de farinha Unid. 8 8

Estufa plast. m2. 9 7.804

Deposito/tulha Unid. 133 147

Fábrica de farinha Unid. 1 1

Barracão /granja/avic. Unid. 24 28

As unidades de construções e os equipamentos foram anotados sem levar em conta seu estado de conservação, ano de fabricação ou de construção e seus valores; consta inclusive a relação de 5 computadores usados para o controle das atividades agrícolas.

As máquinas e equipamentos agrícolas mais importantes na atividade agropecuária eram:  4 colheitadeiras de cana, 53 Colheitadeiras acopladas ao trator, 21 automotrizes, 23 irrigações auto propelidas, 62 irrigações convencionais, 46 irrigação pivot central, 11 irrigação de micro aspersão.

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Corrida de cavalos: esporte preferido dos taquaritubenses

O esporte preferido em Taquarituba nos primeiros anos do século XX era a corrida de cavalos em raia de terra, que tinha 250 metros de extensão. Toda semana havia corrida dos mais velozes do município e da região na Fazenda Valério.

O clube hípico Eugênio Gabriel tem sua sede  na rodovia SP-247 - Eduardo Saigh a oito quilômetros de Taquarituba, em direção de Itaí. Começou a funcionar em 1976. Tem uma área própria doada pelo proprietário e depois presidente honorário, capitão Eugênio Gabriel, e oficializado pelo advgado Erdos da Veiga. Seus sócios construíram uma raia de corrida, e ao lado uma sede com sala de apostas, bar, e salão.

Em 1979, o Ministro do Comércio e Industria, Pratini de Moraes desceu no Aeroporto Municipal Cap. Eugenio Gabriel e para assistir aos páreos de seus cavalos que participavam das corridas das realizadas no Jockey Clube Capitão Eugênio Gabriel. Durante vários anos, na década de 1980, a raia funcionou com bom movimento de corridas de cavalo e apostas.

Em 2005 teve pouca ou nenhuma atividade de corrida de cavalo, funcionando um bar no local.

ALGUNS DOS FATOS MEMORÁVEIS - TAQUARITUBA do seculo XIX até a década de 1980

13/08/1886-Missa de fundação na margem esquerda do Ribeirão do Lageado na Fazenda São Roque de propriedade de Francisco Ferreira Loureiro.
16/8/1889-Criação do Distrito Policial de Taquary no povoado Formiguinhas do Taquary.
10/10/1889-Criação do Distrito de Paz de São Roque do Taquary  pela Lei Estadual no. 461 .
1893- Criação da Agência Postal de Taquary e nomeação da agente Otilia da Silva Rodrigues,.
1893-Inauguração da primeira Escola de Taquary, cujo primeiro mestre escola foi Joaquim Rodrigues chamado de ”O mestre”.

1905-O povoado de é criado oficialmente pela Lei Estadual no. 975 como Taquary.
1906-Pela Lei Estadual no.1038, o povoado Taquary torna-se Vila de Taquary pertencente ao município de Itaporanga, segundo município mais velho do Estado de São Paulo.

14/12/1925-É criado o município de Taquary e a vila é elevada à categoria de cidade.
13/3/1926´-É instalado o município de Taquary pelo juiz de Direito de Capivari.
1926-È nomeado pela Câmara Municipal de Taquary o primeiro Prefeito Municipal o farmacêutico José Penna.

1930-È eleito o primeiro prefeito de Taquary: José Ferraz de Oliveira e Silva.

30/11/1944- Pelo Decreto Estadual 13.344, de 30 de Novembro de 1944, o município passa a chamar-se Taquarituba.
1945-Criação da Paróquia de São Roque no município pelo bispo Dom José Aguirre.
13/08/1945- Inaugurada a Paróquia de São Roque por dom José Carlos de Aguirre.

15/8/1950-É inaugurada a iluminação pública da cidade pela Companhia de Força e Luz S.Cruz ltda.
15/8/1950-Instalada a Casa da Lavoura de Taquarituba da Secretaria da Agricultura, na Praça São Roque, esquina com a Rua Campos Salles.
1950-Instalação da Coletoria Estadual com a Caixa Econômica Estadual anexa a ela.
1950-Instalação da Coletoria Federal, na Rua Ataliba Leonel, 837.
1951-Instalado o primeiro Banco particular na cidade: Banco Cruzeiro do Sul.
1952-Desapropriação da área de pastagem vizinha da cidade, existente para expansão da área Urbana, com doação aos interessados em construir, num prazo determinado.
1957-Criação e Aula inaugural do primeiro Ginásio Estadual “José´Penna”.

1962-Criação do Serviço Municipal de Águas e Esgotos da cidade.
1963-Inauguração do prédio novo da Casa da Agricultura, na Av. 9 de Julho 226, “Plano de Ação” do Governo Carvalho Pinto, com depósito e garagem.

1972 - Inauguração da Agência do Banco do Estado de São Paulo S.A. na Praça São Roque.
1978-Inauguração do posto de serviços do Banco do Brasil s.a. ligado à Avaré
1982- Inauguração da sede própria da Agência do Banco do Brasil s.a, no.2.712x, na Rua Ataliba Leonel 856.

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Levantamento das propriedades rurais do município década 1960-1970

Os dados abaixo foram coletados do Cadastro da Prefeitura Municipal em 1964. Ele foi efetuado pelo contador da prefeitura municipal Cícero de Oliveira Guzzi. O objetivo era montar um banco de dados da agricultura do município para a cobrança de impostos, pois naquele tempo (até 1964) o recolhimento era municipal.
A seguir os dados referentes às propriedades rurais do município no ano de 1964:

15 propriedades de 0,1 a 30 há. com área total de 185,0 há.

18 propriedades de 30,01 a 100 há. com área total de 1.121,0 há.

15 propriedades de 100,01 a 500 há. com área total de 3.441,0 há.

09 propriedades mais de 500,01 há. com área total de 8.000,0 há.

No cadastro realizado pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) de 26 de outubro de 1964 havia um total de 613 propriedades no município de Taquarituba. Já em 20 de dezembro de 1967 o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) apresentava 831 propriedades cadastradas.

Em 1970 o Levantamento do Serviço de Erradicação do Cancro Cítrico cadastrou 1.256 propriedades, entre as quais havia lotes na zona urbana que tinham 2.982 plantas cítricas, e 843 propriedades na zona rural com 32.935 plantas cítricas, com total geral no município de 35.917 plantas cítricas.
Segundo cadastro do Incra  de 1979 o município contava com 948 propriedades com 45.175 hectares indicando que o número e as áreas das propriedades estavam superestimados pelos proprietários, porque a aréa do município é menor que o total da área das propriedades cadastradas.

Tiro de guerra - TG 54

Foi criado na administração do prefeito José Rodrigues de Almeida em 1940. Foi comandado pelo 3o Sargento Abílio Rodrigues Santana e teve em seu primeiro ano 20 "atiradores". O sargento Abílio instruía os atiradores do tiro de guerra em Taquarituba e Itapeva. O Tiro de Guerra foi fechado nos anos cinqüenta e nunca mais reativado.

Departamento Trânsito

O Departamento de Trânsito funcionava anexo ao prédio da Delegacia de Polícia. Em dezembro de 1990 foi instalado na Rua Floriano Peixoto 931(831)  como 626.ª Circunscrição de Trânsito de Taquarituba.

A 159ª. Junta do Serviço Militar

Quando foi criada, esta repartição pública do serviço militar funcionava no prédio anexo á Prefeitura Municipal de Taquarituba. Posteriormente, passou a funcionar nos fundos do prédio da Rua Campos Salles 475, junto com o escritório municipal do INCRA.
No ano de 2004, passou a funcionar em prédio próprio, localizado no bairro Novo Centro, com o serviço de triagem no mesmo local. 

Coletorias federal e estadual

Coletoria Federal

Funcionava na Rua Ataliba Leonel, 835 (prédio do Luiz Forti) desde 30 de Maio de 1958. Foi inaugurada oficialmente em 15 agosto de 1958 pelo esforço do funcionário Jaci Perrone. Ele aceitou ficar na agência quanto esta não tinha condições mínimas de funcionamento.  Depois a agência foi transferida para outro prédio na mesma rua no no.521. Ele foi diretor por nove anos até 1967, mudando então para Piraju, seguindo as novas diretrizes da Fazenda Federal que determinou o fechamento das agências das cidades pequenas e centralizou o atendimento nas cidades médias e grandes.


Coletoria Estadual

Até os anos cinqüenta a Coletoria Estadual funcionava na Rua Ataliba Leonel, 843, junto com a Caixa Econômica Estadual e seu coletor era Urbano Rodrigues. Depois tomou posse Jurandir Siciliano, que ficou até o final dos anos sessenta, depois assumiu Joaquim Custódio Marques.
Nos anos setenta passou a funcionar na Rua Floriano Peixoto, 353, e fechou no final dos anos oitenta com a informatização e modernização do Estado.

Clima do município de Taquarituba

O clima do município é “Cfa”, isto é, subtropical com inverno úmido, segundo o meteorologista “Köeppen”. Este tipo de clima tem como características temperatura média de 21º C, sendo a temperatura média do mês mais frio menor que 4ºC. e do mês mais quente maior que 18ºC, com precipitação média anual de chuvas de 1.200 milímetros anuais, e as chuvas do mês mais seco maior que 30 mm e menor que 60 mm.
As medições de alguns dos meteoros do tempo nos medidores do município a partir de 1950, indicam precipitações pluviométricas que totalizaram uma média de 1.350 mm anuais em cinqüenta e cinco anos e a temperatura média maior que 21º.C, ou seja, 23,2ºC,(medição de 15 anos), a precipitação do mês mais seco entre 30 e 60 mm. de chuvas, dentro dos parâmetros da classificação de Köeppen, como Cfa; ou seja, clima “sub-tropical” com inverno úmido.
As precipitações passaram da média de 1200 mm para 1350 mm e na temperatura média que aumentou em 2,3ºC (23,2ºC.)devido, provavelmente, a outros fatores globais,e talvez pela anotações locais mais precisas, que as regionais.
Para a coleta de dados do município, esteve lotado (sediado em Avaré) e trabalhando de 1964 até 1972, o funcionário do IBGE; Mário Augusto. A partir de 1973 as anotações por ele coletados dos dados do município, foram feitas a partir de sua sede em Avaré.
A Represa Jurumirim construída pela Uselpa (Usina Hidrelétrica do Paranapanema),atualmente privatizada e que foi da Cesp (Companhia Energética de São Paulo), localiza-se entre Piraju e Cerqueira César, ao norte de Taquarituba e sua construção inundou parte dos municípios vizinhos a usina, inclusive uma área ao norte do município de Taquarituba.

Na ocasião da construção da usina, alguns técnicos e a população falavam que haveria uma alteração do clima (micro) do município em decorrência do alagamento da bacia de acumulação de água da represa, mas essa crença não se confirmou, pois a alteração climática foi muito pequena como se observou em medições regionais.






domingo, 29 de agosto de 2010

Serviços de água e esgoto em Taquarituba

A Sabesp assumiu em 1976 o controle dos serviços de água e esgoto e o compromisso de fornecer água e ampliar, fazer o serviço de tratamento de esgoto, e cobrar os serviços até a amortização da construção, que terminaria em 2005. A Sabesp continuou cobrando seus serviços até 2006, mesmo após uma ação do Ministério Público ter vencido a demanda contra a cobrança, inclusive no Tribunal Superior de Justiça no ano 2001, também vencida pelo Ministério Público e declarada ilegal pelo Poder Judiciário.
A Sabesp não fez por muito tempo o tratamento de esgotos da cidade, pois estes eram lançados “in natura” no ribeirão do Lageado, a jusante da cidade. Mas após ação pública da promotoria e um movimento dos alunos da Escola Estadual José Penna no ano de 1994, a Promotoria do Estado de São Paulo da cidade obrigou a Sabesp ao tratamento parcial do esgoto urbano. Mesmo sem tratar o esgoto a Sabesp cobrou desde 1976  da Prefeitura e, portanto, dos cidadãos as taxas de tratamento da água sem tratar ou mesmo decantar o esgoto jogando-o “in natura” no ribeirão.

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Documento ATT 27 anos de glória

Página do jornal "O Eco" Ilustrado

Página do jornal "O Eco Ilustrado" publicado e editado por José Benedito Miranda e irmãos em gráfica que nos anos setenta ficava no início da Rua Floriano Peixoto, na saida para Coronel Macedo-Itaberá.


quarta-feira, 28 de julho de 2010

Ponte Taquarituba- Itaí

Construção de Ponte no Rio Taquari localizada do lado de Taquarituba na margem da fazenda de Indalécio Gomes Camargo (Bairro Muniz) e na outra margem no Bairro Machula de Itaí. Década de 1970 - Autoria de Foto Nossa Senhora de Fátima

Durante os primeiros anos da decada de setenta, 1973 e 74, os agricultores de Itaí do bairro do Machula e alguns mais afastados de Itai viram a possibilidade de "comerciar" com Taquarituba. Incentivaram então os comerciantes de Taquarituba a construir uma ponte na altura da fazenda no bairro Muniz, de Indalécio Gomes, para economizar de dez a quinze quilometros para chegar à Itaí. A ponte economizaria dez a doze quilômetros, de viagem até Taquarituba sem passar por Itaí.  Animado pela atração de novos negócios os comerciantes de Taquarituba arrecadaram fundos e construiram uma ponte no Bairro Muniz, com alguma ajuda de transporte e mão de obra da prefeitura municipal. A ponte ficou pronta, mas a Prefeitura de Itaí não permitiu a ligação com a estrada do Machula e a ponte ficou inutilizada.

Mikado- Cultivar de ervilha produzido em Taquarituba, SP



.
 Variedade de ervilha denominada MIKADO(de origem argentina) com duas flores na inflorescência.

O Melhor Produtor de Milho de Taquarituba - Concurso



Henrique Latanzio, á esquerda, e um produtor rural de Fartura à direita, na área do concurso de produtividade - Safra 1967-1968

Aerofoto da região de Taquarituba, SP- (2006)

Aerofoto colorida da região de Taquarituba (cidade em negrito) para comparar com a realizada em 1962 pela Vasp Aéreofotogramétrica. Secretaria do Planejamento do Estado de São Paulo.


Veja também o mapa da região administrativa de Sorocaba á qual pertence Taquarituba em:
http://www.igc.sp.gov.br/mapras_sorocaba.htm

Aerofoto da região de Taquarituba (1962)

Aerofoto do município de Taquarituba e da região que o circunda - 1962
Imagem pertencente ao acervo da Casa da Agricultura de Taquarituba.



Em 1962 foram produzidas aerofotos em todo o Estado de São Paulo para gerar cópias esteroscópicas de todos os municípios para as Casas da Lavoura (atual Casa da Agricultura). Todas as Casas de Lavoura tinham os pares aerofotogramétricos, óculos esteroscópicos e duas escalas para medir áreas, planejar e ou fazer pedidos de cópias para agricultores às firmas(duas) que realizaram o voo em todo o estado de São Paulo.
Portanto, a aerofoto era destinada a auxiliar o trabalho de planejamento em extensão rural do engenheiro agrônomo da Casa da Agricultura, entre outras atividades como realizar medições de área agrícola, localização de propriedades rurais e de mananciais.

Obs: A aerofoto está correta, mas em posição invertida. Os municípios estão localizados corretamenta, mas o norte está na posição inferior e o sul na posição superior da imagem.

terça-feira, 20 de julho de 2010

Documento que atesta o planejamento das atividades da Casa da Agricultura nas décadas de 1960-1970

Exemplo de Plano Anual de Trabalho da Casa da Agricultura de Taquarituba - pertencente à José Norival Augusti

Desde que Alfredo Gomes Carneiro assumiu a direção e coordenação dos trabalhos da Coordenadoria de Assistência Técnica Integral da Secretaria da Agricultura do estado de São Paulo no início da década de sessenta, os engenheiros agrônomos e médicos veterinários  das Casas da Agricultura faziam Planos de Trabalho para o ano agrícola e no final do ano agrícola eram feitas as avaliações do trabalho realizado. O Plano de Trabalho do ano agrícola de 74/75 digitalizado é um modelo de documento que serviu para execução e avaliação do que foi realizado em Taquarituba naquele ano agrícola. Diversos anos agrícolas tiveram Planos de Trabalho de acordo com a Política Agrícola dos Secretários da Agricultura e envolviam toda Secretaria da Agricultura e seus orgãos de Assistência Técnica e Pesquisa.

segunda-feira, 5 de julho de 2010

As mudanças na adubação e técnicas de culturas agrícolas nos municípios da região de Taquarituba, SP

No ano agrícola 1971-72 uma nova fase se iniciava com o início das operações da Ultrafértil S.A. na região de Avaré, inclusive no município de Taquarituba, que introduziu as vendas técnicas de adubos, calcário e alguns defensivos, principalmente o herbicida Treflan, de incorporação em pré-plantio incorporado. Os adubos e o calcário eram vendidos após análise e recomendação técnica, numa época em que poucos adubavam, calcariavam e faziam controle com herbicidas.
O Treflan, à base de trifluralina (45%), era aplicado em pré plantio incorporado(PPI) para a cultura do algodão inicialmente, depois para feijoeiro e para a cultura da soja que era ainda pouco ou nada plantada nesta região.
A introdução deste herbicida possibilitou controle dos matos e a ampliação das áreas plantadas do algodão e das leguminosas - feijoeiro e soja  - e que antes não tinham possibilidade de plantio em grandes áreas devido à infestação de ervas daninhas principalmente do mato principal conhecido como capim marmelada, como também o capim carrapicho e picão que infestavam as culturas de milho, feijão e passavam para a cultura seguinte.
O engenheiro agrônomo Hideio Aoki (formado na Esalq em 1965- F65), filho de taquaritubenses, iniciou suas vendas de adubos e também do treflan 45CE da Ultrafértil para a cultura de algodão. Ele precisava garantir e fazer vendas demonstrativas para vários agricultores amigos conhecidos de seus irmãos e para alguns agricultores para tentar introduzir a técnica do herbicida que era novidade na época.
Um desses agricultores  usou o “treflan” na área que plantaria algodão e depois do plantio e nascimento do algodão constatou que estava nascendo o capim marmelada, picão e capim carrapicho chamou o colega Hideio. Ele me convidou para constatar o fato na lavoura de feijoeiro de Vitorino Dalcin no bairro do Porto, nas margens da rodovia Taquarituba-Itai, que conhecíamos e sabíamos que estava altamente infestada pelos "matos" e vimos que as ervas daninhas realmente estavam germinando. Pedimos para o agricultor esperar mais uns dias, pois o solo estava seco. Foi a sorte.
Após uma pequena chuva os “matos” começaram a morrer e ele nos comunicou que o mato estava morrendo. Estava introduzida uma nova técnica no município e também na região, como realmente aconteceu nas safras seguintes.
Somente a firma Copap de Nelson Giraldin aproveitando o campo demonstrativo de Hideio Aoki vendeu uma centena de litros e depois no ano de 1972/3 vendeu 5.000 e poucos litros na região para lavouras de algodão nos anos seguintes vendeu muito mais.
Aoki  vendia também herbicidas para café e milho para aplicação em pré e pós emergência e com grande dificuldade pois a mão de obra na época era barata e o custo beneficio da aplicação era desfavorável ao herbicida.
Mas mesmo assim conseguiu vender para alguns agricultores novidadeiros que tiveram problemas com o funcionamento dos herbicidas devido á falta de água no solo que não deixava o herbicida funcionar. O solo seco naquela época limitou a introdução dos herbicidas para café e milho. A firma vendedora e a revendedora não esclarecia esta particularidade do modo de ação do herbicida, somente foi descoberto por ele depois de muita análise dele com os técnicos envolvidos nas vendas dos produtos.
 Aoki e colegas que trabalharam na região foram os pioneiros na introdução da adubação técnica trabalhando numa firma que tinha por norma vender tecnicamente insumos agrícolas.
O uso de herbicidas em Taquarituba e na região somente aconteceu no início da década de sessenta, depois que o engenheiro agrônomo nissei Hideio Aoki começou a trabalhar na venda dos herbicidas da Ultrafértil, firma criada para vender produtos agrícolas com assistência técnica de engenheiros agrônomos e com seus gerentes geralmente formados em escolas de agronomia, para que sempre houvesse retorno das vendas e os agricultores tivessem a devida assistência técnica.















quarta-feira, 30 de junho de 2010

C.e.t.i Informática

Microempresa da área de informática e escritório localizada na rua Ataliba Leonel, 230 em Taquarituba, SP

Um dos proprietários desta empresa é formado em Ciências da Computação e tem experiência na formulação de programas computacionais para empresas agropecuárias.
No site http://www.cetiinformatica.com.br/Empresa/Apresenta%C3%A7%C3%A3o.aspx há informações mais detalhadas sobre a empresa .



quinta-feira, 24 de junho de 2010

Inauguração da Força e Luz de iluminação pública em Taquarituba

Na Festa de inauguração da iluminação pública em Taquarituba foi instalado um palanque na Praça Santo Roque ao lado do Bar do Alher (Santo Antonio) e estavam presentes o governador Ademar de Barros(PSP), o prefeito Antonio da Silva Rodrigues, vereadores e inúmeros prefeitos da região (Itapeva, Avaré, Itaí, etc).
Durante o discurso da inauguração  Ademar de Barros apontou para uma mulher grávida e falou: Esta senhora demora meses para dar a LUZ, e eu estou dando a LUZ para vocês AGORA. Foi ovacionado pela multidão que cercava o palanque. E assim foi ligada a Força e Luz da Cia. Santa Cruz em Taquarituba em 1950 uma aspiração de dezenas de anos.
O abastecimento de  luz da cidade era feito por uma pequena usina no Ribeirão da Usina que funcionava precariamente fornecendo luz de baixa intensidade somente poucas horas durante a noite.

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Teste de arrancadeira para a colheita do feijoeiro

Teste de arrancadeira na colheira de feijão na propriedade Breno Mendes, Bairro Queimadão, Taquartibuba, SP - Década de 1980.

Da esquerda para a direita, Breno Mendes, Edson de Campos (técnico agrícola da Casa da Agricultura) e os dois filhos do Breno Mendes.

Ilustração das estradas e bairros de Taquarituba - 1966

Norte

Sul

A ilustração mostra a localização dos bairros de Taquarituba que criei para localizar as propriedades nos bairros e montar o Plano de Trabalho da Casa da Agricultura em 1966.

Ao Norte do município limita-se com Tejupá; a Leste faz divisa com Itaí e ao Sul com Itaberá e a Oeste com Coronel Macedo e Taguaí.

Vista da cidade de Taquarituba a partir da Torre da Igreja Matriz



Vista panorâmica de Taquarituba, 2010
Imagem cedida por Hilton Camargo

Plantio de algodão - Bairro Estiva

Plantação de algodão no Bairro da Estiva, Taquarituba, década de 1970

José Leme da Silva plantou milho em sua pequena propriedade, no bairro da Estiva, de latosolo roxo com alta produtividade durante décadas. 
Devido ao baixo preço do milho no mercado brasileiro na década de 1970 este pequeno produtor passou a plantar algodão. Mais precisamente, foi após o ano agrícola de 1972-73 atingiu a produtividade de mais 210 arrobas por hectare com a cultura de algodão.
 De 1972 a 1977 cultivou algodão com alta produtividade e parou devido à dificuldade do controle da lagarta rosada.  

Uma homenagem ao Zé Manãh

O José Gonçalves, mais conhecido por Zé Manah, trabalhou na Casa da Agricultura de Taquarituba de 1958 a 1974, bem como o servente José Picasso Chamorro. Ambos foram importantes também nas mudanças ocorridas na agricultura taquaritubense, desde a introdução do milho híbrido no final da década de cinquenta (do Instituto Agronônomico de Campinas), na adoção de novas técnicas agrícolas para a conservação do solo, adoção de controle de pragas e doenças nas culturas, etc. Participaram do processo de mudança da cultura de milho, que era predominante no município, para a cultura de algodão.
José Gonçalves foi um dos primeiros taquaritubenses a plantar algodão a partir de 1970 em seu sítio de 26 ha.. A partir de seu primeiro plantio (com meeiro) muitos os seguiram, pois teve êxito, orientado por mim. Foi um funcionário exemplar para as mudanças tecnológicas e de cultura econômica na agricultura taquaritubense.
Leia mais sobre ele em Biografia do José Gonçalves





quarta-feira, 9 de junho de 2010

Rua decorada para a Procissão de Corpus Christi em Taquarituba

Imagem cedida por Orlando Chamorro Filho, 2010


Parte da rua Marechal Floriano Peixoto e ao redor da Igreja São Roque é decorada todo ano com desenhos feitos com serragem colorida e outros materiais para a passagem da procissão de Corpus Christi. Esta procissão é realizada todos os anos pela comunidade católica que faz a decoração das ruas na noite anterior à realização da procissão.  

Quadra de esportes da Escola Municipal Bernadete Lourdes Gomes Claúdio

Imagem cedida por Orlando Chamorro Filho, 2010

Sede da Ação Social - Novo Centro, Taquarituba

Imagem cedida por Orlando Chamorro Filho, 2010

A coordenadora municipal responsável pela Secretaria Municipal de Ação Social desde 01/01/2009 é a assistente social Eliana Milioni Gomes. 

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Prédio da Câmara Municipal de Taquarituba


Foto cedida por Hilton Camargo em junho de 2010


A Câmara Municipal funcionou num prédio alugado na Praça São Roque, depois foi transferida para os fundos da antiga sede da Prefeitura Municipal, na Rua Campos Sales, no. 376. De 1969 até 1974 funcionou nos fundos da Prefeitura Municipal, na mesma rua número 484 . Depois foi transferida para os fundos do prédio da Prefeitura Municipal na rua São Benedito, no. 366 até 1978 e daí para a rua Floriano Peixoto,1487. De 2000 até 2005, funcionou em prédio alugado na rua Ataliba Leonel, no. 445.
A sede própria da Câmara Municipal Jaime Cardoso da Silva foi inaugurada em 29 de dezembro de 2008 e está situada na rua Joel Gomes n° 09, bairro “Novo Centro”.










sexta-feira, 28 de maio de 2010

José Gonçalves

José Gonçalves (também conhecido por Zé Manãh), natural de Taquarituba, nascido em 1934, é filho de um dos primeiros moradores de Taquarituba  - José Gonçalves de Souza - e de sua esposa Zulmira Antonia.
Um dia me deu um relato de sua vida. É este relato que apresento a seguir. Segundo José Gonçalves, seu nascimento foi complicado e só mamou no 13o. dia de vida. Teve malária com 5 anos, tomou quinino, urinou azul e sobreviveu. Com sete anos foi cursar o Grupo Escolar de Taquarituba. Em 1945 foi para o Seminário Cistecercense de Itaporanga, junto com a figura ímpar do "Luis Preto", que voltaram nas férias, na mesma condução uma charrete de roda de ferros, dirigida pelo Bianor. Em 1947, com 13 anos veio para Taquarituba para terminar o ensino básico do Grupo Escolar. Foi sapateiro com o irmão Paulo, indo á tarde tomar banho de rio, pelados na "pedreira". Em 1950 fizeream a Escola de Datilografia da D.Terezinha Cabral de Freitas, senhora do futuro gerente da agência do Bradesco. Em 1952, foi convidado por Zanoni de Oliveira e João Rui Nogueira gerente e contador do Banco Cruzeiro do Sul s.a., para ser escriturário deste banco e, em junho do ano de 1952, passou a escriturário do primeiro Banco da cidade, com um salário dde Cr$1.000,00, trabalhando com terno e gravata. No final do ano foi inaugurado o Banco Popular s.a..Em 1954 e 1955, prestou serviço em Conchas em várias funções. Foi chefe de serviço em comissão. Após desentendimento com o gerente Alpheu, deixou o banco, embora tivesse salário de $6.600,00, contrariando a vontade do gerente João Ruy Nogueira, cuja vaga foi prenchida pelo José Mário Fernandes. Saiu do Banco em 18 de Seembro de 1958, e ao meio dia assumia o cargo de escriturário da Casa da Lavoura da Secretaria da Agricultura, com o salário de $4.500,00 cruzeiros, por mês. Marcou o casamento com Consuelo Monteiro Toski, para 4 de janeiro de 1959. Construiu a primeira casa na R. Mal. Deodoro da Fonseca, 380(onde hoje - 2010 - é o Cartório de Registro de Imóveis). Depois disso contruiu mais quinze casas.
Na Casa da Lavoura  trabalhou de 1958 até 1974, respondendo pelo expediente e venda de sementes. Em 1967 foi requisitado pelo Juiz de Direito e prestou serviços por quatro meses no Cartório Eleitoral de Itaporanga. Em 1975, pediu transferência da Casa da Lavoura de Taquarituba para Santos, numa escolha democrática da família. Em Santos trabalhou na Delegacia Agrícola sendo reponsável por 60 funcionários. Prestava serviços na Divisão Regional de São Paulo, no Parque Fernado Costa, na Av.Francisco Matarazzo. Participou de Cursos do Departamento de Administração de Pessoal do DAPE e da administração das delegacias e da Dira de São Paulo. Foi nomeado Secretário e depois Chefe de Secção de Apoio Administrativo da Delegacia Agrícola de Santos(atual DIRA de Santos). Fez Curso Supletivo de 1o. Grau e de Técnico em Contabilidade (do 2o.Grau) no Colégio Cruzeiro do Sul, noturno, sendo 1o. aluno em várias matérias. Com a escolha do prédio a DIRA-S.P. pela D. Silvia Maluf, o governador Paulo Maluf extinguiu a DIRA-S.P.e a mudou-a para Registro. Esta mudança fez com que a administração passasse a ser feita em São Sebastião, Caraguatatuba, Ubatuba, Itanhaen, Peruibe, Pedro de Toledo, Itariri, Iguape. Enquanto isso em 1985, a esposa Consuelo aposentava no Colégio Canadá, em novembro de 1985. O delegado Agrícola de Santos - Cassiano G. dos Reis - sugeriu um comissionamento na Prefeitura Municipal de Taquarituba para poder gratificar a funcionária d. Nene que também era muito eficiente. A partir de julho de 1985 foi comissionado na Prefeitura Municipal de Taquarituba, pelo prefeito dr. Arnon F.de Mello, a espera da aposentadoria.
José Gonçalves conta que em 1984 comprou uma chácara em Itaí, nas margens do Rio Taquari.Vendeu a chácara e foram morar em Taquarituba, numa chácara na M B.Ribeirão do Lageado, nas margens da rodovia estadual, que vai para C. Macedo. Construiu duas casas e instalou a força elétrica na propriedade. Criou cabras leiteiras, além frangos para a despesa, mas com prejuízos. Em 1999, com todos os netos já adolecentes ficou só com a mulher e no Natal permutou a propriedade por uma casa em Sorocaba. Depois voltou para Santos. Em 2001 adquiriu uma dengue, e em 2004 peguou uma rinite alégica frigóse. Teve diversos problemas de saúde, pontes safena e mamária, uti, vários acidentes. Com a filha Eloisa morando em Avaré, os netos Tobias em Santos e Isis em Curitiba, ele sente-se sozinho e dá graças a Deus em 2010, pela sua existência.

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Vista lateral e Fachada da Igreja Matriz de São Roque

Protótipo da arrancadeira do feijoeiro

Da esquerda para a direita, Breno Mendes, Edson de Campos (técnico agrícola da Casa da Agricultura) e os dois filhos do Breno Mendes.
Foto pertencente à José Norival Augusti, década 1980

Teste de arrancadeira na colheira de feijão na propriedade Breno Mendes, Bairro Queimadão, Taquartibuba, SP - Década de 1980.
Este protótipo de arrancadeira do feijoeiro foi fabricada em Artur Nogueira na década de 1980. A máquina proporcionava economia de mão de obra no arrancamento do feijoeiro. Após o arrancamento e a secagem, outra máquina recolhia os feijoeiros arrancados e enleirados para serem beneficiados e ensacados ao mesmo tempo. 

terça-feira, 25 de maio de 2010

IX Festa do Milho de Taquarituba (1969)

Ao fundo, Dr. Helcias Kerr Nogueira (Primeiro Juiz da Comarca de Taquarituba) e à sua frente o diretor da Dira de Sorocaba Dr. Alceu Soares.

Da esquera para a direita, Nicanor Camargo (prefeito) e outros.


Da esquerda para a direita, no primeiro plano, José Norival Augusti, Maluf, Antonio Rodrigues (Secretário da Agricultura do Estado de São Paulo)

Coquetel comemorativo da 9a. Festa do Milho no barracão do Venâncio Mendes.