domingo, 18 de outubro de 2009

Associação de piscicultores de Taquarituba (Apitar )

Associação que tem por filiados os produtores de peixe de Taquarituba. Foi fundada em 1986 e reativada em 2001 por mim, junto com o cirurgião dentista José Francisco Gomes e mais doze interessados. Teve como primeiro presidente José Francisco Gomes. Em 2005 era presidida por Abel Francisco da Silva.
Para unir os psicultores interessados em criar peixes foram organizadas por mim, entre 1999 e 2000, excursões para Fartura, município que tem uma Associação de Piscicultores que engorda peixes em tanques rede. Depois, foi organizada uma excursão para a CESP (Companhia Energética de São Paulo), de Barra Bonita, que possui um laboratório de criação de alevinos e peixes e faz repovoamento de peixes nas represas no Estado de São Paulo.
A Apitar com a Casa da Agricultura trouxeram durante o ano de 1999/2000 os especialistas de psicultura de Jaboticabal e do Projeto Dourado/Pacú, do Mato Grosso,  para realizar palestras e visitar para os criadores da Apitar.

Endereço:  Rua São Benedito, 711.



 

Albergue Noturno da Casa Espírita de Taquarituba

O Albergue Noturno iniciou suas atividades a partir de 1962, com o trabalho de organização e fundação de José Zanoni, Salvatore Domenico Malagó, Antônio Rolim dos Santos, Trajano Ferraz e outros que foram incentivados pelo padre Bibiano. Mas isso só foi possível porque esses taquaritubenses conseguiram um terreno da Prefeitura, na área desapropriada ao lado do terreno do almoxarifado, para construir esse albergue nos fundos da Casa Espírita de Taquarituba.

Assim, ele funcionou por vinte anos nos fundos da Casa Espírita Amor e Caridade, na Av. 9 de Julho 402/408, ao lado do almoxarifado municipal.

É interessante lembrar que funcionou na cidade nos moldes dos albergues internacionais, onde o viajante ou o "sem teto", entrava no Albergue, tomava banho, recebia a primeira alimentação(café,pão,frutas) e as vezes roupa limpa. Depois ele podia seguir sua viagem. Nestes moldes recebeu entre os anos sessenta a oitenta muitos viajantes dos países da América do Sul.

Centro Social Urbano de Taquarituba

Em 1992 foi  construído o prédio do Centro Social Urbano de Taquarituba, atrás da Igreja de São Roque (localizado na Praça São Roque, 166), projetado pelo engenheiro Ney Péchio.
A construção foi feita após demolição da casa antiga que lá existia. Esse centro social e a casa paroquial foram construidas com a doação da Igreja Católica alemã, graças ao empenho do padre Eugênio Ferreira de Lima que solicitou verbas para sua construção à essa entidade. Lembramos que também as doações de católicos do município contribuíram para que fossem efetivadas essas construções.
No primeiro andar fica o salão térreo destinado a palestras, cursos e ações sociais da igreja e o segundo andar com salas e salões são destinados ao trabalho de catequese e outras ações cristãs.

Clube dos Dez Casais de Taquarituba

Iniciou-se um clube informal, sem sede social, que funcionou com dez casais originalmente e no segundo ano com doze casais.  De 1974 e 1975, os participantes deste grupo se reuniam todo fim de semana na casa de um dos sócios em rodízio para jogar “truco” e unir as famílias, informalmente.
Participavam das reuniões do clube informal: Osvaldo Castelucci, Valdiores José Zafalon, José Benedito Rodrigues, José Norival Augusti, Feiz Assad Mamoud, José Fragoso, Valter Silva, Aristides Mascarenhas de Morais, Constante Pavan Junior, Afonsinho Castelucci, Nelson Giraldin, Erdos da Veiga.
Em 1977 o clube se dissolveu e suas reuniões não foram mais realizadas.

Associação do Jardim Santa Virginia de Taquarituba

É a associação dos moradores do bairro Santa Virginia, localizada na sede comunitária do Jardim. Foi fundada em 2002. Defende os direitos dos moradores e faz reuniões sociais e esportivas.

Cooperativa de Consumo de Taquarituba.

No ano de 1975 vinte e duas pessoas fundaram em reunião realizada no Centro Recreativo Taquaritubense a Cooperativa de Consumo de Taquarituba. Alugaram para funcionamento da cooperativa um barracão na Rua Floriano Peixoto 86, em frente da Santa Casa de Misericórdia.
Inicialmente ela teve setenta e cinco sócios, sendo eleitos presidente o bel. Aristides de Moraes, tesoureiro José Norival Augusti, secretário João Luizon. Com o afastamento do tesoureiro por acidente em janeiro de 1976, assumiu a tesouraria João Luizon. Mas a dificuldade de desenvolver um trabalho coletivo e com a crise do comércio a cooperativa foi desativada no final de 1976.

Associação de Apoio aos Dependentes Químicos de Taquarituba - ASADEQ.

Fundada em 11 de junho de 2007 por Olavo Gomes e outras pessoas tem por objetivo apoiar os dependentes químicos e suas famílias. Na gestão 2006/7 era presidente Áurea Terezinha Vaz de Almeida, vice-presidente Marcos Váz e coordenador da associação Antonio Pereira Vaz.
Tratou em 2007 nove dependentes, com o trabalho de sete voluntários. Destacamos o trabalho do casal Marco Antonio Vaz no desenvolvimento das atividades da associação.
Na gestão 2008-2009 assumiu como presidente Hélio de Moraes.

A terceira revendedora de adubos de Taquarituba: Copap - Companhia Paulista de adubos

No início dos anos setenta um lavrador veio de Artur Nogueira e comprou um sítio no bairro dos Campos, vendeu no ano seguinte e comprou outro de 36 hectares no bairro dos Alves-Queimadão, era o patrono dos Giraldin. Tinha quatro filhos.
O filho Nelson Giraldin tinha gosto por negócios e começou aos quinze anos a revender adubos de uma firma de Limeira. Como não tinha capital, começou a vender com uma bicicleta, indo inicialmente procurar informações na Casa da Lavoura de Taquarituba. Inteirou-se da técnica de adubação e como técnico de vendas passou a coletar e remeter amostras de terra para o Instituto Agronômico de Campinas através da Casa da Lavoura e vender conforme as recomendações. Como começava a cultura do algodão no município, as vendas técnicas foram importantes para aumentar sua freguesia. Com o aumento de vendas alugou um ponto na Rua Floriano Peixoto, esquina com a Rua 1º. de dezembro, onde colocou um atendente, enquanto vendia nos sítios e fazendas com sua bicicleta. Depois de um tempo comprou um carro e passou a atender as vendas e além dos adubos Drago (pequena firma misturadora de adubos) e de produtos de outras firmas. Vendia também o herbicida de algodão “treflan” para a Elanco, uma técnica nova na ocasião, difundida por mim nas reuniões de lavradores e que eram proferidas pelos engenheiros agrônomos Duval da Silva Santos e Sebastião Godoy Passos, da Cati-Cetate, de Campinas, na sede e nos bairros: Queimadão, Campos e Palmeiras, Aleixo, Baianos. Nelson Giraldin, ajudava a convidar e estimulava os lavradores nessas reuniões-palestras e demonstrações de resultados.
Já no início da década de setenta, fazia churrascos para atrair agricultores para as reuniões e palestras de promoção dos produtos que revendia.
Nesta mesma época também participou das primeiras campanhas de calagem de São Paulo, trazendo calcário de Limeira-Piracicaba, vendas sempre baseadas nas análises da Drago ou do Instituto Agronômico de Campinas.
Com o aumento de vendas pelo aumento de áreas de algodão e conseqüente demanda de defensivos além do Treflan passou a vender os produtos da Shell, Ciba-Geigy, Sandoz pela demanda de monocrotofos (azodrin e Nuvacron) e clorofenamidina ( Galecron e Fundex).
Copap, firma fundada por Nelson Giraldin, um comerciante nato, teve quatro filiais: uma em Coronel Macedo, uma em Itaberá, uma em Carlopolis (Pr.) e uma em Itararé. Vendia produtos agropecuários com agentes em toda a região inclusive em Avaré. Após o fechamento de sua empresa tornou-se vendedor de produtos agropecuários na região para a Cíba-Geigy (depois Aventis) e por suas vendas ganhou como prêmio uma viagem para a Suíça, para conhecer e visitar a sede da empresa.

Primeira Casa Agropecuária revendedora de adubos Taquarituba

Nos anos de 1962/3 Euclides Alonso e seu irmão vieram de Piracicaba para Taquarituba. Montaram uma casa de produtos agropecuários na Praça São Roque na qual vendiam adubo da Indústria de Adubos Paulista(IAP). Depois de três anos, a Casa Agropecuária, com somente o Euclides Alonso como proprietário, mudou-se para a Rua Ataliba Leonel 343, em frente a padaria do Salaki, onde funcionou vendendo mais produtos veterinários para animais domésticos e rações para porcos e frangos. No início dos anos setenta montou uma filial de revenda em Itaí, que funcionou por seis meses. A partir dos anos noventa passou a representar firmas de frangos, produtos fitosanitários e de rações para porcos, gado de leite e corte.Teve uma freguesia fiel desde o início do seu funcionamento. Fechou a firma após quarenta anos de atividades.

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Escritório de Planejamento Agropecuário Taquarituba

No final dos anos sessenta os bancos particulares e oficiais iniciaram a contratação de engenheiros agronomos e veterinários para realizar projetos agropecuários com assistência técnica por imposição de normas oficiais de crédito rural.

É nesse contexto que, em 1974, o engenheiro agrônomo Constant Pavan Jr. (conhecido pelo apelido de Xito)  fundou o "Escritorio de Planejamento Agropecuário Taquarituba" com sede na esquina da Ataliba Leonel com a rua Benjamiim Constant, para atender os agricultores interessados em planejar suas atividades e que não eram atendidos pelos departamentos técnicos dos bancos .

O escritório funcionou fazendo vários creditos planejados, contando com a assessoria técnica do engenheiro agrônomo da Casa da Lavoura(Agricultura) e depois de um ano foi fechado por alterações na concessão do crédito rural.

Em 1981, outros escritórios de planejamento e assistência técnica foram criados articulados às novas exigências do Banco Central para o crédito agrícola orientado. Entre eles o Escritório de Planejamento Agropecuário. Além disso, os bancos criaram departamentos agropecuários de planejamento e assistência técnica, entre eles: Banco Nossa Caixa, Nosso Banco e o Banespa. A partir de então, o Banespa e a Nossa Caixa eram parceiros da Casa da Agricultura. Contavam, portanto, com a orientação e planejamento para a realização de projetos agropecuários no financiamento agrícola.