sexta-feira, 29 de maio de 2009

Aspectos históricos da saúde pública de Taquarituba

Voltando no tempo, mais propriamente em 1922, veio de Botucatu o médico Leônidas Peçanha que clinicou por pouco tempo no município, voltando para sua terra, pois não se adaptou a vida da pequena cidade.Nos anos quarenta/cinqüenta[1], muito quinino (remédio que controlava a febre amarela) foi distribuído pelo “Posto de Saúde e Puericultura” da cidade e pela Prefeitura Municipal para os doentes acometidos pela febre. Os mortos eram então levados ao cemitério em redes de dormir, pois não havia caixões de madeira suficientes.Entre 1936 e 1942, foi o médico Dr. Celso “de tal”(desconhecemos seu sobrenome) que assistia os pacientes, tendo consultório particular localizado próximo ao Posto Gomes, na Rua Benjamin Constant.O primeiro médico do Posto de Saúde foi Dr. Jorge Nassar e nas década de cinquenta e sessenta atuavam como serventes nesse posto de saúde Antônio Rolim dos Santos e José Penna e tinha como visitador sanitário Jorge Camargo.
A história da saúde pública em Taquarituba está intimamente ligada a dois médicos pioneiros: dr. Wilson Gonçalves Martins (clínico geral) e dr. Cecílio Jorge Neto (pediatra) que atendiam com grande presteza, inicialmente no “Posto de Saúde e Puericultura”, localizado na Rua Floriano Peixoto 720, próximo à Praça São Roque. Depois, já em 1962, eles passaram a atender em prédio próprio construído no Plano de Ação de Carvalho Pinto, na rua Quintino Bocaiúva 214. Eles tinham como auxiliares Julieta Cimati e Lourdes de Campos e depois Maria Lourdes, de Pirajú.
Além disso, Dr. Wilson Gonçalves Martins atendia os pacientes particulares inicialmente na Rua Ataliba Leonel 336, e o Dr. Cecílio Jorge Neto atendia na Rua Ataliba Leonel, ao lado da padaria do Salake, na Rua Ataliba Leonel 340.Quando as estradas ainda eram precárias, Dr.Wilson G. Martins assistia os pacientes dos sítios e fazendas, indo em “lombo” de cavalo, pois naquele tempo não existiam carros. Foi o segundo proprietário do município a ter um carro, com o qual passou a atender aos doentes em domicílio. Para marcar para sempre seu trabalho benemérito à comunidade, uma rua da cidade ganhou seu nome. Ainda na década de sessenta, o atendimento médico de urgência era precário nos sítios e fazendas devido à falta de estradas intransitáveis. No final dos anos cinqüenta e início dos anos sessenta foram feitas aplicações do defensivo DDT, aplicados pela equipe de visitadores sanitários, para controlar o inseto vetor da febre amarela, o “Aedes aegipty, L”. A “doença de Chagas” (Tripanosoma Cruzi L.), doença que era “vetoriada” pelo “barbeiro” ou percevejo e que era endêmica na região no período de 1962 a 1970. Ressurgiu na década de noventa, exigindo novo controle nas casas, com pulverização de inseticidas.Nessa década e na seguinte foram realizadas as aplicações de BHC (hexacloro ciclo hexano) e DDT contra os insetos, nas casas dos sítios e fazendas, principalmente as de “barrote” (36% das paredes das casas de “barrote, 36% de madeira em 1963) para o controle do percevejo “barbeiro” (Triatoma infestans ou sordida L.),vetor da doença de Chagas. Muito embora fossem os mais eficientes para o controle dos vetores das doenças, sabe-se que não eram inócuos ao homem.
Foi realizada uma campanha pioneira contra verminoses, (1964/65) pela diretoria do Grupo Escolar Julieta Trindade Evangelista, baseada na análise de fezes dos alunos, realizada pelo “Posto de Saúde e Puericultura”, das escolas urbanas e rurais. Por meio dessas análises constatou-se que a verminose atingia a maior parte dos alunos, que possuíam mais de uma espécie de vermes, como a lombriga(ascaris sp.), strongilóides sp.,”oxiurus sp.” e solitárias(tênias spp.).Da década de sessenta a oitenta, o município participou das Campanhas Regionais e nacionais contra a paralisia infantil, tétano, diferia e coqueluche, a tríplice, e a raiva. Todos os funcionários do “Posto de Saúde e Puericultura” participaram de todas as Campanhas de vacinação municipal com a colaboração das escolas rurais da cidade, da Casa da Agricultura, da Prefeitura Municipal e dos clubes de serviço Lions e Rotari. No período de 1966 a 1972, as visitadoras sanitárias Maria de Lourdes de Campos e Maria R. Cimatti vacinaram as crianças das 32 escolas e bairros rurais, aplicando as vacinas de tétano, difteria (crupe) e paralisia infantil (Sabin), numa parceria com o engenheiro agrônomo regional José Norival Augusti da Casa da Lavoura (Agricultura), da Secretaria da Agricultura, e com o apoio do diretor das escolas rurais prof. Plácido da Silva Machado e o chefe do Centro de Saúde local, Dr. Wilson Gonçalves Martins.A “Pharmacia São Roque” de José Penna e a “Pharmacia Madre Thedora” da Joana Calixtro foram as primeiras a atender a população com remédios, além de realizar os primeiros socorros. Depois surgiram as farmácias de Gino Chamorro e a São Benedito, do prático Benedito Santana. O Posto de Saúde e Puericultura, que fazia o atendimento à saúde de adultos e às crianças, foi reformado no início dos anos setenta e novamente em 2005/6. Nesse período, o Posto de Saúde e de Puericultura transformou-se em Unidade Básica de Saúde, localizada na Rua Quintino Bocaiuva 214, sendo, assim, ampliados e readequados ao crescimento da população, assistidos pelo médico Dr. Miderson Z. Milleo.
Antes dos cirurgiões dentistas aparecerem na cidade diversos dentistas práticos atuaram na cidade, entre eles, Nivaldo Zimmerman, em 1948/50, que atendia no bairro Neves de Cima, na propriedade de Agostinho Benini.
Em 1948 chegou à cidade o primeiro dentista formado, Jamil Massud, que, vindo de Araraquara, trabalhou até 1958 na rua XV de Novembro. Em 1960 chegou ao município o prático licenciado Isaias Freitas, que atendia na rua Mal. Deodoro da Fonseca, e depois os cirurgiões dentistas Valter Silva e Adão Ormi Gomes, chegados em 1964. Em 1974, chegaram os cirurgiões dentistas José Francisco Gomes e Leal Gonzaga, o “Gaúcho, que clinicou durante pouco tempo na cidade. Além dele, atuou em Taquarituba Valdoniére Barboza de Oliveira, que permaneceu até 2006. Em 2005, atuavam dezoito dentistas no município, sendo treze deles estabelecidos na cidade. Entre eles: Wanuza M.C.,Martinéli, José Francisco Gomes, Rogério F.Vidal, Eliane L. Gomes Vidal, Fernanda M. Gomes, Manoel A. Campos Jr., Andressa de Souza Neto Milleo Augusti, Soraya de S. N. Milleo, Badaoul Sayon, Lucia Fernandes Cardoso, Maria Cristina Gobbo.
Após a instalação da Sabesp, nos anos oitenta, a água da cidade passou a ser fluoretada, conforme recomendação preventiva das cáries segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). A Sabesp também instalou uma lagoa de decantação e tratamento de esgotos, no final dos anos oitenta, embora a rede de esgoto, que antes era municipal, atendesse mais de noventa por cento dos domicílios da cidade. A Sabesp atende 97,95% da população com água tratada, inclusive o bairro do Aleixo, situado a dez quilômetros da cidade. 100% da coleta do esgoto é tratado em lagoa decantação, e só depois lançado no ribeirão do Lageado, segundo recomendação da saúde pública, relatado pelo Seade, em 2005.Na cidade de Taquarituba, 100% do lixo é coletado conforme programação da Prefeitura. Comparando com o Brasil, que em 2005 tinha 69,7% dos domicílios com esgoto sanitário, 82,3% com água encanada, 85,8% com coleta de lixo e 97,2% tem iluminação pública, pode-se avaliar o nível das condições sanitárias e de saúde pública no município, bem como as condições de vida da população.Em 2004/2005 foi criada uma equipe de visitadores sanitários para o controle da “dengue”, percorrendo as casas e eliminando os focos do vetor (Aedes aegipty L.).Em 2005 o coordenador de serviços da saúde, ligado à municipalidade, era Geraldo Rivera, que administrava três centros de saúde na cidade. Nesse ano, a saúde pública, incluindo-se o Centro de Saúde ou Unidade Básica de Saúde, cuja central localizava-se na Rua Quintino Bocaiuva 214, contava com outras três unidades, funcionando em três bairros da cidade e no bairro rural do Aleixo. Contava com dez médicos, oito técnicos e auxiliares de enfermagem, vinte agentes comunitários, e três dentistas, encarregados do trabalho vigilância sanitária e de saúde pública.
O Posto de Saúde do bairro do Aleixo foi inaugurado em 2001, sendo médico responsável Jardionel Gonçalves, que permaneceu no cargo até 2005. A área da saúde pública conta também com os profissionais do Hospital da Casa de Taquarituba, situado à rua Mal. Floriano Peixoto, 95. Foram investidos R$ 586 milhões em convênios de saúde, R$1.658.635,51 reais do município (17,50%), R$594.906,57 do governo federal, tendo sido realizadas 44.392 consultas no ano de 2003. Em 2005 foram inaugurados, pelo prefeito Itavico Dognani, os prédios da Unidade Básica de Saúde, na rua Quinino Bocaiúva 214, onde se localizava o antigo Centro de Saúde.

[1]Em 2005, 66,2% tem rede coletora de esgotos no Brasil, e no Sul 64,8% tem esse serviço público.

Biolabor: Laboratório de Análises Clínicas

Iniciou suas atividades na década de noventa, tendo como responsável médica bioquímica dra. Vilma Cristina de Almeida. Faz análises de sangue, fezes, urina e hormônios, sendo conveniado com a Máster Plus e com a Unimed. Atende e realiza aproximadamente de cinqüenta a sessenta análises por mês. Localiza-se na Rua São Benedito 382.

Biomed: laboratórios de análises clínicas - Taquarituba

Está situado na Rua Campos Sales, 619, no centro da cidade. Iniciou suas atividades em 16 de janeiro de 1981, fundado pelo médico bioquímico dr. Ivo Tonon, formado pela UMC(Universidade de Mogi da Cruzes), em convênio com o Criesp (Laboratório de Análises Clínicas) . Tem como assistente Lucilene Tonon, sua esposa, e atende também no Hospital da Santa Casa de Taquarituba, analisando em média 600 amostras de urinas, fezes e hormônios no sangue.
As análises mostram, segundo o bioquímico Tonon, que a doença mais detectada em exames é a verminose, confirmando as análises laboratoriais dos alunos das escolas realizados em 1965/66, quando todos os alunos e funcionários das escolas urbanas e rurais de Taquarituba tinham mais que uma espécie de verme por pessoa cujas fezes foi analisada.

Posto de Vigilância Sanitária de Taquarituba

Situa-se na Rua Campos Sales, 462, fundos, atendendo a problemas de sanidade humana e animal, além das doenças dos animais transmitidas para o homem. Além disso, é responsável pela fiscalização dos domicílios.
O responsável é o médico veterinário Reinaldo Virgilio Righeto e sua responsável técnica é Cristina Gobbo.

Farmácia Básica Municipal “Dose Certa”

Funciona desde 25 de Novembro de 2004, atendendo aos doentes carentes, com receitas de remédios e cartões fornecidos nos Postos Municipais de saúde. A Farmácia atende aos Projetos Dose Certa, Saúde na Família, e Saúde Mental. Sua responsável é a farmacêutica Rogéria Fantinatti.
Os remédios da Saúde Mental são fornecidos pelo Estado aos pacientes depois de atendidos pelo médico João Evangelista Vasconcelos. Há também, nos fundos da Farmácia, o setor de passes que tem por finalidade encaminhar doentes crônicos à Faculdade de Medicina da Unesp de Botucatu. Muitos cidadãos taquaribenses não têm condições econômicas de viajar até o hospital desta faculdade.
Situa-se na Rua Campos Sales 462, antigo Centro Telefônico Municipal.

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Família Sangiácomo e o comércio do milho

Um dos membros da família Sangiácomo, descendente de imigrantes italianos, veio para Taquarituba em 1949 para comprar milho para granjas de frangos do Rio de Janeiro. Benedito Custódio era sócio do Pascoale San Giácomo na compra do milho "em pé". O Benedito “Dito" Custódio era pai de Lourenço Custódio(que foi prefeito). “Dito” e seu filho colhiam e preparavam o milho para debulhar com a turma em “bandeiras" de espigas milho, colhidas em palha para a “debulhadeira” de Antônio Vaz. Esta debulhava e ensacava o milho para ser levado em caminhões para o trem em Itapéva, com destino ao Rio de Janeiro.
Para evitar desabastecimento das granjas, o velho Sangiácomo do Rio de Janeiro passou a fornecer as sementes de milho, a financiar a cultura e passou também a plantar milho, ajudado pelos seus filhos Gianuário e Michele. Assim evitava o desabastecimento e fornecia milho aos granjeiros em 1950.

A bicicleta do Niquinho

Lá pelos idos de 1940 surgiu a primeira bicicleta em Taquarituba. Era da marca Philips e pertencia ao Antônio Rolim dos Santos (Niquinho). Tinha pneu balão e espantava todo mundo da cidade. Quebrava facilmente porque as ruas não eram pavimentadas. Quando isto acontecia ele era obrigado a levá-la para consertar em Avaré transportada em um dos primeiros "pé de bode" da cidade , pois não havia peças, nem oficina de conserto em Taquarituba.

As jardineiras: o começo do transporte coletivo intermunicipal

A origem da empresa de ônibus intermunicipal “Manoel Rodrigues S.A” da região foi criada por Manoel Rodrigues e está ligada à Taquarituba. Sua primeira garagem funcionava no mesmo local onde a companhia teve início, na Rua Ataliba Leonel 889, e a matriz está estabelecida desde os anos 50 em Avaré.
Segundo moradores antigos, nos anos trinta, os ônibus eram as “jardineiras” que faziam a linha Taquarituba-Itaí-Avaré pela estrada de terra. Quando chovia os ônibus não trafegavam porque a estrada ficava intransitável. Na mesma época o José Machado comprou outra “jardineira” e passou a concorrer com o Manoel Rodrigues. O então prefeito José Penna, amigo do Manoel, comprou a “jardineira” do Machado e a revendeu para seu amigo Manoel Rodrigues, acabando com a concorrência da futura Empresa Auto Ônibus Manoel Rodrigues. Dizem que Manoel Rodrigues e José Machado eram inimigos comerciais e que nunca Machado venderia sua jardineira para Rodrigues.
A linha de Ônibus Proença, que ligou Itapeva à Taquarituba no período de 1940 até 1952, passava pela vila da Turiba, que fica após a Vila da Revolta(Coronel Macedo). Quando não chovia ia até Itapeva. Em 1959 foi vendida pelo Proença para a empresa Manoel Rodrigues que assumiu a linha.
 Contam os taquaritubenses que entre 1950 e 60 Manoel Rodrigues, chamado de “Mané Português”,  cortou a cabine de madeira de seu ônibus para passar por baixo da árvore caída e atravessada na estrada no bairro Serrinha, na estrada antiga para Itaberá, e qual foi sua surpresa quando o ônibus do concorrente, que veio logo após só precisou abrir uma valeta no barro da estrada para passar folgadamente pela mesma.

Febre Amarela e malária assolam Taquarituba

De 1936 até 1940, houve um surto de febre amarela e todo o dia acontecia dois a três enterros e os cadáveres eram levados em redes de dormir ao cemitério onde fica a Cadeia Pública. Naquele tempo Taquarituba era uma pequena cidade e não tinha assistência médica na cidade. O surto epidêmico diminuiu e acabou com as mudanças climáticas.

Na década de quarenta (1942) vieram de Piraju para Taquarituba os portugueses e italianos: Manoel Alher, Giácomo Clivatti, Otávio Clivatti e Hilário Clivatti. Depois vieram Zanetti e outros. Após a 2ª Guerra Mundial houve uma epidemia de malária e muitos desses imigrantes fugiram em carroças para Londrina e São Paulo.

Gaúchos deixaram herança cultural em Taquarituba

Os moradores mais antigos da cidade contam que, na “Revolução Constitucionalista"(1932) (guerra civil dos paulistas contra o governo federal e outros estados brasileiros), os taquaritubenses em sua maioria abandonaram a cidade indo para o bairro do Aleixo, enquanto os soldados gaúchos se aproveitaram do abandono e pilharam a cidade.
O gaúchos invadiram São Paulo pela região de Itapeva e Itaberá, cidades próximas à Taquarituba, passando pelo Rio Taquari e cruzando a fazenda do Medonho e dos Nunes indo em direção à Taquarituba.
É curioso que no sítio de João Nunes Sobrinho, bairro dos Nunes, foi plantado uma árvore de erva “mate” pelos gaúchos invasores e que durou até o final do século XX. Os gaúchos deixaram o costume de consumir o “chimarrão” entre os familiares dos Nunes.
No site do Instituto Histórico, Geográfico e Genealógico de Itapeva http://www.ihggi.org.br/pag.php?pag=revolucoes há informações sobre o episódio da Revolução Constitucionalista de 1932 na região.

Imigrantes japoneses em Taquarituba

Na década de 1930, João de Almeida, pai de Pedro “Quintino ”de Almeida, trouxe para Taquarituba imigrantes japoneses para trabalhar nas lavouras de algodão em sua Fazenda Cerrado, que fica na estrada Taquarituba-Coronel Macedo. Financiava as lavouras dos japoneses e nisseis alcançando grande produção e produtividade de algodão, que depois era comercializado em máquinas de algodão de Avaré e, as vezes, de Itapetininga SP.

Cine São Roque de Taquarituba

O cine São Roque, localizado na esquina da Praça São Roque 220, foi construído pelo pedreiro Giácomo Lamarca, ajudado pelo dono Antônio Ferraz (”Tonico Ferraz”). Funcionou de 1941 até a década de cinqüenta com motor-gerador à diesel, e o primeiro operador foi José Quirino morador de Avaré , depois o cinema mudou-se para a rua Ataliba Leonél 872, (hoje BB.sa.) em Junho de 1968, sendo dono Sebastião Carlos Rodrigues até 1973. De vinte e sete de Julho de 1973 setembro de 1982 funcionou num prédio novo inaugurado para 200 lugares, na mesma rua número 720, já com novo dono Renato Angeli. Angeli, posteriormente, o arrendou para Evangelista de Souza, ex-lavrador do bairro do Soares. O cinema funcionou somente por mais um ano devido à queda de frequência e programação.

segunda-feira, 4 de maio de 2009

Taquarituba: anotações sobre a administração pública (2000-2008)

Para a gestão da prefeitura municipal de 2001-2004 foram reeleitos Miderson Z. Milleo e Dirceu Vaz.
Foram vereadores e diretores da Câmara Municipal no biênio 2001/02 os senhores(as): Pres. Elizabeth de Souza Milleo (PDT), Vice pres. Antônio Lázaro Guarino(PL), 1º secretário Aparecido Donizeti Ribeiro(PP), 2ºsecretário Moacir Rodrigues de Almeida(PMDB), Abel de Almeida(PFL), Aguinaldo Pereira da Silva(PP), Carlos Eduardo da Silva Machado(PTB),Jaime Cardoso da Silva(PMDB), José da Costa(PL), Laércio Pinto Gonçalves(PL), Luiz Gabriel dos Santos(PFL), Moacir Rodrigues de Almeida(PMDB), Ronaldo Carlos Benini(PTB), Sérgio Rolim (PTB), Vagno Aparecido Costa(PTB).
Em 2003-04 foram diretores da Câmara: Presidente Ronaldo Carlos Benini(PSDB), Vice presidente Carlos Eduardo da Silva Machado(PTB), 1º secretário, José Aparecido Veiga(PSB) e 2o secretário Vagno Aparecido da Costa (PTB).
No ano de 2003 faleceu o vereador Aguinaldo Pereira da Silva (PP), assumindo o suplente Luiz Balduino da Rocha(PP), continuando vereadores: Abel de Almeida (PFL), Antônio Lázaro Guarino(PL), Aparecido Donizéti Gabriel(PP), Carlos Eduardo Machado (PTB), Elizabeth de Souza N.Milléo(PDT), Jaime Cardoso da Silva(PMDB), José Aparecido Veiga (PSB), José da Costa(PL), Laércio Pinto Gonçalves(PL), Luis Gabriel dos Santos(PFL), Moacir Rodrigues de Almeida (PMDB), Ronaldo Carlos Benini (PSDB), Sérgio Rolim (PMDB), Vagno Aparecido Costa (PTB). Na gestão 2003/04, fizeram parte da mesa diretora os vereadores: Ronaldo Carlos Benini(PSDB), Carlos Eduardo da Silva Machado(PTB).
Nas duas gestões foram construídos, em convênio com o estado: o “Ginásio de Esportes Mininico”, na Praça João Clímaco de Oliveira no centro da cidade; na Avenida Cel. João Quintino abaixo do Fórum, o "Centro de Convenções e Lazer Lourenço Custódio" e a realocação do Colégio Julieta Trindade Evangelista no bairro Novo Centro e o Centro Educacional Paula Souza foi instalado no prédio onde funcionou a Escola Estadual José Penna na Rua Floriano Peixoto 898.
As obras da administração Miderson Milleo-Dirceu Vaz, no período de oito anos foram, segundo “Relatório das obras da gestão da Prefeitura municipal”(2004): Programa “Melhor Caminho” com a construção de seis pontes metálicas nos bairros, abastecedouro comunitário e conservadores de leite nos bairros Muniz e Córrego da Capela, patrulha rodoviária para melhorar estradas rurais, Patrulha agrícola com trator e equipamentos para o uso do pequeno produtor para Plantio Direto, implantação de três micro bacias hidrográficas, abastecedouro e banheiros comunitários no bairro do Muniz, Balcão de negócios(agrícolas),criação do Núcleo de Proteção Ambiental e do PMDLIS(Programa Municipal de Desenvolvimento Municipal Local, Integrado e Sustentável), plantio de árvores na mata ciliar dos ribeirões das Micro bacias e no ribeirão do Lageado que corta a cidade, todos em convênio com a Secretaria da Agricultura. Foi feito também o re-asfaltamento de dez quilômetros da estrada para os bairros Soares-Medonho, criação do projeto Lixo Solidário, construção do Centro Esportivo “Ico Rodrigues”, construção do campo de futebol ao lado do Centro, campo de bocha e quadra de tênis ao lado do Centro Esportivo, Centro Cultural ao lado do Centro, Ginásio de Esportes “Meninico”, e prédio da Secretaria da Educação na Praça João Climaco de Oliveira, número 190, reforma do prédio do “EMEI” do Parque São Roque, reforma do prédio da escola da Vila São Vicente, Centro de Geração de Rendas Prodec(Programa de Desenvolvimento Comunitário), padaria artesanal, construção de trinta casas pelo sistema de mutirão, doação de quarenta casas a famílias carentes, coleta seletiva de lixo, instalação no bairro Pascoale de creche para atender 200 crianças, Programa de desenvolvimento comunitário no Parque São Roque, implantação de quatro equipes de médico da família no Parque São Roque para atender aos moradores dos bairros Aleixo,Barreiro, Pedregulho e Vila Ouro Branco. Desenvolvimento de programas de saúde e vigilância epidemiológica, asfaltamento de quatro bairros com usina de asfalto própria e guias de sarjeta nos novos bairros, implantação da Avenida Mario Covas, canalização do ribeirão do Lageado, asfaltamento gratuito de varias ruas em bairros de baixa renda, convênio para a construção da lagoa de tratamento de esgoto pela Sabesp(após trinta anos) e compra de 4,84 hectares para doação para empresas aumentando o Distrito Industrial.Também foi adquirida a gleba de terras no bairro Lageado, na saída para Coronel Macedo, para a realização da Facita(Feira Agropecuária e Comercial de Taquarituba)que antes era montada em áreas cedidas por colaboradores.
Na eleição de 2004, foi eleito prefeito Itavico Dognani(PSDB) e vice Abel de Almeida(PFL) tomando posse em 2005. O prefeito é produtor rural, rotariano e presidente licenciado da Coreata (Cooperativa Regional Agropecuária de Taquarituba) e o vice-prefeito Abél de Almeida é agricultor, comerciante e agro-industrial(laticínios e cerâmica).
A Câmara Municipal, situada na Rua Dr. Ataliba Leonel 445, elegeu a mesa diretora para a gestão 2005-2006 ficando assim constituída: Pres. Elizabete de Souza Milleo(PDT), vice pres. Jaime Cardoso da Silva,(PMDB), 1ºsecretário Dirceu Vaz(PSDB), 2º secretário Luis Carlos Monteiro Gomes(PFL). Além da mesa diretora são vereadores: Anizio Gobbo(PSDB),delegado e bel.João Luiz de Almeida(PT),Carlos Eduardo da Silva Machado(PTB), José Aparecido Veiga(PSB) e Paulo Sérgio da Silva(PL).
Em 2005 a Câmara municipal funcionava na Rua Dr. Ataliba Leonel 445. O assessor jurídico da Prefeitura era o bel. José Benedito Rodrigues, filho do primeiro prefeito do município de Taquarituba.
Em 25 de março de 2006 o cidadão taquaritubense Sérgio Siciliano, ex-vereador Arena, e assessor do Governador Dr. Geraldo Alckimin, foi agraciado pela Câmara Municipal com o título de “Gratidão Coletiva” pelos serviços políticos administrativos prestados à coletividade taquaritubense.
A atual sede da Câmara Municipal Jaime Cardoso da Silva está situada na rua Joel Gomes n° 09 no bairro “Novo Centro”. Ela foi inaugurada em 29 de dezembro de 2008.


Veja algumas das imagens do município no site http://www.taquarituba.sp.gov.br/historico/historico.html .