segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Consórcio de Promoção Social: Taquarituba-Arandu-Itaí-Paranapanema-Angatuba-Buri

Em 21 de Novembro de 1969, foi formado o ”Consórcio de Promoção Social de Paranapanema” constituído pelos municípios de Taquarituba, Paranapanema, Angatuba, Arandu, Itaí e Buri.
Foi assinado pelo prefeito Nicanor Camargo e referendado pela Câmara Municipal de Taquarituba.
O objetivo do consórcio era a promoção socioeconômica dos municípios através de ações educativas e participativas organizadas por uma equipe constituída por técnicos agrícolas, economistas domésticas, enfermeiras e assistentes sociais locados nos municípios. Entre esses profissionais estavam os voluntários holandeses.
No período de atuação os profissionais brasileiros e holandeses promoviam reuniões, demonstrações, excursões para atingir o objetivo acima mencionado.
Essas ações promoveram uma mudança grande porque aumentaram as vacinações, melhoraram a higiene e alimentação e o modo de pensar dos agricultores e seus familiares.

Trinta e três votos de “diferença”. Influências inexplicáveis!!!

Na eleição de 1968 a diferença do vencedor Nicanor Camargo para o segundo colocado Antônio Lino Rodrigues- “Toninho Padre” (Arena II) - foi de trinta e três votos. Houve denúncia de fraude eleitoral porque conta-se que até a última urna Antônio Lino Rodrigues(Arena II) vencia o segundo colocado Nicanor Camargo. Antonio Lino Rodrigues e os seus correligionários comemoraram a vitória, com rojões e passeata, pela cidade inteira.
Entretanto, foi feita recontagem de votos no Cartório eleitoral do Fórum de Itaporanga modificando o resultado. Na junta eleitoral de Itaporanga, segundo alguns taquaritubenses, encontravam-se dois deputados estaduais por Avaré e região, que sempre influenciavam a política do município e quando saiu o resultado oficial o candidato Nicanor Camargo (da Arena I) foi declarado vencedor com a diferença de trinta e três votos, junto com seu vice, Pedro de José de Almeida(“Pedro Mineiro”). Na época a sede da Prefeitura funcionava no sobrado da Rua Campos Salles 485(em 2005 nele funcionam diversos órgãos estaduais).

Serviços telefônicos de Taquarituba

Na legislatura 1960-1963 o vereador Joaquim Vaz Gabriel (PSB/PTN) junto com o vereador José Picasso Chamorro (PTN)lutou pela instalação da rede semi-automática de telefones vendendo de bicicleta mais de cem telefones de porta em porta. Percorrendo a cidade inteira venderam telefones suficientes para instalar os serviços telefônicos de Taquarituba, com 180 telefones, na Rua Campos Salles 462.

Os serviços telefônicos eram semi-automáticos que funcionavam com três telefonistas e um auxiliar de consertos.

Na década de 1970 no projeto do Estado de controlar a telefonia o Serviço Telefônico de Taquarituba foi comprado pela TELESP. A prefeitura municipal recebeu o valor da transação em ações. Após a compra, a TELESP construiu uma central de telefonia na rua Floriano Peixoto.

Professor Dr. Luiz Barco e o calçamento da Praça São Roque

A Prefeitura calçou, na década de 1960, com lajotas de cimento o quarteirão em volta da Igreja de São Roque, com recursos próprios, por pressão dos vereadores e donas de casa e indicação de projeto do professor de matemática do Ginásio José Penna – Dr. Luiz Barco - e que foi professor da USP em São Paulo nas décadas de 1980-90.

Plano de Ação de Carvalho Pinto em Taquarituba


Na gestão de Nicanor Camargo(PTN)(1/1/60 a 31/12/63) foram realizadas, no 1o. Plano de Ação de Carvalho Pinto(1959-1962), com financiamento do IAMSPE em convênio com o Governo do Estado as seguintes obras: a Casa da Lavoura(da Agricultura), Cadeia e Delegacia de Polícia, Ginásio e Escola Julieta Trindade Evangelista e “Centro de Saúde e Puericultura”, instalado o Serviço Municipal de Águas e Esgotos (em 1962), o Abatedouro Municipal (no final da rua 13 de Maio).
Depois de eleitos, Nicanor Camargo (PTN), o vereador Joaquim Gabriel e José Picasso Chamorro (PTN) ( presidente da Câmara) foram à São Paulo comprar um caminhão tanque para irrigar e diminuir a poeira das ruas que era a principal reivindicação dos eleitores da cidade.

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Capitão Eugênio Gabriel

Eugênio Gabriel foi um influente agricultor e grande proprietário de sítios que em 27 de Maio de 1914 foi nomeado Capitão da 1a Companhia do 71º Batalhão de Infantaria da Guarda Nacional, da Comarca de Itaporanga, S.P.. pelo Presidente da República general Hermes da Fonseca (pela guia no. 90.549, em diploma datado de 22 de julho de 1914, 26o. da República e 93o. da Independência, no Rio de Janeiro), com posse no dia 18 de janeiro de 1915, na presença do Coronel José Brasil Piedade.

Cine Fênix

O Cine São José começou na Praça São Roque 79, com o nome de Cine Terra Roxa, depois Fênix. Funcionou na esquina da Praça São Roque depois se mudou para a Rua Ataliba Leonél 872, em 1968 e depois para prédio próprio na mesma Rua 720, com o nome de Cine São Roque.
O Cine Fênix, de Paulo Obara e seus sócios Gabriél de Oliveira Bueno e o Capitão João Manoel Gonçalves ficava na Rua Ataliba Leonel 220,esquina da Praça São Roque. Na sexta feira tinha duas sessões, uma às sete horas, pela metade do preço, e outra às nove horas, com preços normais. A primeira sessão enchia só com a família Gomes. O povo apelidou a sessão de cinema de “Sessão Gomes”, em alusão a economia dos Gomes.
Funcionava com motor-gerador à diesel. O primeiro operador foi José Quirino (de Avaré) que trabalhou no cinema de 1941 até a década de cinqüenta.
Observação: O prédio de Antônio Ferraz (”Tonico Ferraz”) onde funcionava o cine Fênix foi construído pelo pedreiro Giácomo Lamarca.

Grupos políticos na década de 1920 em Taquarituba

Nos primeiros anos do século vinte havia em Taquarituba dois grupos políticos que eram grandes rivais e faziam grandes lutas nas épocas das eleições: os “Pica-Paus” e os “Peludos”. Os pica-paus ligados à família Campos e os Peludos ligados à família Gabriel.

Primeiro taxista de Taquarituba

O primeiro taxista da cidade foi o Gentil Segala e o primeiro carro particular foi de Manoel de Campos, seguido do Pedro de Campos. O primeiro motorista credenciado com carta oficial de motorista foi José Francisco da Silva(o “Zé Mijão”)nos anos cinqüenta.

Primeira e segunda pensão de Taquarituba

A primeira pensão da cidade, localizava-se na esquina da Praça São Roque com a rua Dr.Campos Salles, foi de Ernesto Clivati que veio de Piraju em 1950. Ele montou um escritório de contabilidade para o genro Nagoia, que era chamado de “Paulo Preto” e falava fluentemente japonês, pois tinha sido criado no Bairro de “nisseis”(japoneses) da Barra Grande, em Coronel Macedo, município vizinho.

A segunda pensão da cidade, também localizada na Praça São Roque, pertenceu ao Manoel Alher Filho, imigrante espanhol, que cresceu em Taquarituba na década de 1940.

 A terceira pensão da cidade funcionou de 1955 a 1965 e pertencia a Nenê Brizola, pai do ex-prefeito Ribas Ferreira de Oliveira. Ficava ao lado da Farmácia do Juca Penna, na Praça São Roque esquina com a Rua Campos Sales.

Banda São Roque


Em 1893 foi organizada a primeira Banda Musical da cidade, constituída em sua maioria pela família Gomes, organizada pelos músicos Cecílio Rocha e Joaquim Rodrigues, o “Mestre”, pai de Antonio Rodrigues (Ico).
Os músicos, na fotografia ao lado, estão em frente à Igreja São Roque (1970).

sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

Eleições municipais Taquarituba - 1972


Antes da inauguração do fórum em Taquarituba as eleições e a contagem dos votos eram realizadas na sede da Associação Atlética Taquariense.
Na foto, no segundo plano à direita está o professor Guido Dias de Almeida e em pé no primeiro plano à direita, Joaquim de Almeida(vulgo Joaquim Quintino) que na época era fiscal das eleições.

Pedra fundamental CEAGESP - Taquarituba-SP



Em 1970 foi realizada a solenidade de lançamento da pedra fundamental do silos e armazéns da CEAGESP em Taquarituba com a presença do ex-presidente da CEAGESP Antonio Rodrigues que na época era o vice-governador do Estado de São Paulo.


Na foto, no primeiro plano da esquerda para a direita estão José Norival Augusti, Oswaldo Castelucci, Antonio Rodrigues e seu chefe de gabinete. No segundo plano, da esquerda para a direita o chefe do gabinete militar, o delegado do município e demais autoridades.

quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Anotações sobre as escolas rurais em Taquarituba


As três escolas tipicamente rurais do município foram criadas na gestão do presidente Getúlio Vargas (PTB) em 1943. Elas foram construídas em alvenaria nos bairros dos Nunes, Serrinha e do bairro Neves. No bairro dos Nunes a primeira professora foi Almerinda Ferraz Silva e foi também professor Hélcias José Nogueira; o diretor era o prof. João Campolino dos Santos.Funcionou como escola isolada até 2005.
A escola do bairro Serrinha, situada na fazenda e bairro Serrinha de Sebastião Righeto, e a escola do bairro Neves na Fazenda dos Neves(antes pertencente a família Neves que lhe deu o nome),depois pertencente a Anízio Gobbo, e que foram desativadas na década de noventa, por falta de alunos(êxodo rural).
Entre 1965 e 1970, existiam no município, vinte e três escolas rurais isoladas sendo que elas eram construídas de madeira, e cobertas de telha, devido a abundância de madeira e facilidade e rapidez de suas construções, tendo todas elas poços d’ água, privadas ou fossas negras anexas para demonstração sanitária.
Na década de noventa foram construídas e reformadas as escolas dos bairros Aleixo(com cursos até a 8ª.serie), Pico, Barreiro, Baianos, e desativada a do bairros dos Neves e do Matão, por falta de alunos sendo os poucos alunos restantes levados às escolas isoladas ou da cidade em peruas.
Nas Campanhas de Alfabetização, inclusive Mobral, (1967,1970,1975) as professoras do município participaram e conseguiram baixar os índices de analfabetismo de 38% em 1950 para 12,10% em 2000, e segundo o Perfil dos municípios do Seade em 10,51%, que é o dobro do Estado em 2005 que foi de 5,5%. A partir da década de setenta diversas campanhas de alfabetização foram realizadas no município (e no Brasil) resultando na melhora dos índices de alfabetização da população, embora não tenha chegado a um nível ideal. Há necessidade de levantamento mais preciso desses índices para se comprovar essa afirmação.