quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Anotações sobre o ensino público em Taquarituba

Não encontrei nos anais das escolas informações precisas para nos certificarmos a respeito das datas e de detalhes sobre as escolas do município. Muitas das informações que exponho aqui foram extraídas de documentos particulares.  Mas acreditamos que vale a pena registrarmos no blog essas  informações sobre as escolas de Taquarituba.

A história do ensino público, ou da instrução educacional do povo, em Taquarituba começa em 1893 quando foi aberta a primeira escola com a contratação do primeiro mestre-escola - Joaquim Rodrigues ”O mestre” - nomeado pela prefeitura de São João do Rio Verde (atual Itaporanga) com remuneração de cem mil réis mensais.
Mas somente em 1906 foi nomeado o primeiro professor público pelo município João Marcondes de Almeida, que começou ensinando as primeiras letras numa casa da Praça São Roque, esquina com a rua Ataliba Leonel e Duque de Caxias.
Em 1928 foram criadas três escolas isoladas em Taquary com classes de 1o. ao 3o. anos funcionando na Rua Mal. Floriano Peixoto 319, esquina da Praça São Roque, e foi ligada a Delegacia de Ensino de Itapetininga, sendo os primeiros professores João Batista Aguiar, João Pedro do Nascimento e Alípio Andrade Guimarães. A professora Almerinda Ferraz Silva dava aula nos bairros dos Aleixos, Neves e Neves de Cima.
A primeira professora diplomada a lecionar no município foi Jacintha Vilhena de Lima e a primeira taquaritubense diplomada foi Jacyra Lopes Rodrigues, formou-se em 1932, lecionando nas escolas localizadas na Rua Floriano Peixoto 859 e na Av. Cel. João Quintino.O primeiro diretor escolar foi Dorival Dias de Carvalho[1] tendo como professor José Nogueira e como servente a taquaritubense Alice Gabriel. Depois do diretor Carvalho foi diretor José Campolino dos Santos, sendo que nessa época o Grupo ficava na rua Mal. Floriano Peixoto, 782. Em 11 de fevereiro de 1935 o Grupo Escolar Taquary se mudou para a Praça São Roque, depois se mudou para R. Dr. Campos Salles, na esquina da R. Mal. Floriano Peixoto 319.
Entre 1935 e 36 havia quatro escolas isoladas: uma na rua Mal. Floriano Peixoto 859, (onde funcionava em 2005 a Papelaria Papeloti) cuja professora foi Jacira Lopes Rodrigues; a outra se localizava na rua Floriano Peixoto 750 (onde fica a Associação Atlética Taquariense, onde funcionou a Escola Julieta Trindade Evangelista); e outra na Praça São Roque, 82 (onde é a casa de Zélia Gomes) e a Escola Estadual Professor Ataliba Ferraz que ficava onde foi o primeiro Ginásio Estadual, na Rua Floriano Peixoto, 899.
Em 15 de Março de 1935, as escolas tornaram-se escolas Reunidas de Taquary, funcionando com classes de 1º, 2º. e 3º. anos. Finalmente as escolas isoladas foram transformadas em escolas reunidas e depois em escolas masculinas, femininas e mistas, mostrando a evolução dos costumes e valores sociais das épocas. Entre os alunos daquela época, quando era diretor prof. Dorival Dias de Carvalho, que se formaram estavam o ex-prefeito Luiz Ferreira Neto, Dimas Mozart Silva, o ex-prefeito de Cel. Macedo João Teodoro, Antonio Garbelotti, Pedro Garcia, Maurílio Gabriel e outros.
Em quinze de Julho de 1936, as escolas funcionaram com 151 alunos matriculados, sendo o aniversário festejado no dia primeiro de Julho de cada ano. O primeiro diretor dessas escolas foi o prof. João Batista de Aguiar, subordinado a Delegacia Regional de Ensino de Itapetininga, S.P.
Em primeiro de Outubro de 1957, pela lei estadual 4.205, foi criado o Ginásio Estadual de Taquarituba (funcionava no Grupo Escolar de Taquarituba, na rua Mal. Floriano Peixoto 989) no Governo Jânio da Silva Quadros, indicado por decreto do deputado estadual Abreu Sodré.
Nos anos cinquenta era diretor do Grupo Escolar Taquary[2]o prof. João Villaça Neto, e nos anos sessenta foi o Prof. Plácido da Silva Machado. Nos anos sessenta, provavelmente em 1963 foi construído o Grupo Escolar dentro do Plano de Ação de Carvalho Pinto, juntamente com diversas obras públicas de Taquarituba, recebendo o nome de Grupo Escolar Profa. Julieta Trindade Evangelista, em homenagem a uma das primeiras professoras do município.
O primeiro diretor foi o prof. Osvaldo Brandi Cotrucci, a primeira secretária Tereza Cabral de Freitas, e os primeiros professores Guido Dias de Almeida, Joaquim Váz Gabriel, Tereza das Dores Contrucci, Consuelo Monteiro Gonçalves, Fernando Giraldi, Flávia Torres Castelucci e o bel. Hélio Lara Bueno.
As duas primeiras aulas do ginásio foram dadas pela profa. Consuelo Monteiro Gonçalves (trabalhos manuais) e pelo prof. Guido Dias de Almeida (Ciências Naturais). Na direção do Prof. Plácido da Silva Machado, anualmente na década de sessenta, eram realizadas festas beneficentes da APM (Associação de Pais e Mestres) do Grupo Escolar Julieta T. Evangelista e escolas isoladas do município. As verbas arrecadadas eram destinadas para a manutenção da merenda das escolas e compra de materiais escolares para alunos carentes, pois não havia verbas oficiais suficientes para sua completa manutenção.
A Escola Normal de Taquarituba foi criada pelo projeto de Lei do deputado Geraldo de Barros em 1962. Em 1º. de maio de 1963 começou a funcionar como curso Normal a princípio com 28 alunos, graças ao empenho dos professores Guido Dias de Almeida, Jacy Perrone (também exator federal), João Bortóti (comerciante) e do professor, depois diretor e bacharel José Pires de Carvalho. Funcionou durante sete anos encerrando suas atividades em 1970 por falta de alunos. Formou duas centenas de professores.
A primeira e única diretora da Escola Normal foi a professora Maria V. Mascarenhas de Moraes. O fechamento da Escola Normal de formação de professoras no município pode ter acontecido devido à falta de interesse dos prováveis interessados na profissão, que na época estava muito desvalorizada devido ao baixo salário, e o interesse da população escolar que tinha condições econômicas de se deslocar para outras cidades para estudar.
Nos anos oitenta foi criada uma Escola Normal particular (local onde havia sido a escola Estadual José Penna) para a formação de professores, o que demonstrava o interesse de parte da população e dos criadores da escola pelo curso. Cedida pelo Governo a particulares, fechou seus cursos porque tinha altas mensalidades para os alunos e pouco alunos. Formou e licenciou aproximadamente cem professores.
A partir dos anos 2000, os interessados em cursos de licenciatura frequentaram instituições de ensino superior em municípios vizinhos, tais como Piraju, Itararé, e Jacarezinho no Paraná.


[1] Ricardo Maraia, foi também vereador e presidente da Câmara Municipal, de 1926 a 1929.[2] Até esse ano funcionou no prédio na rua Mal. Floriano Peixoto 782, onde é o “Per Tuti” Presentes, mudando a partir de então para o prédio próprio na Av. Cel. João Quintino, no.513.

Nenhum comentário:

Postar um comentário