quarta-feira, 13 de agosto de 2008

Associação Atlética Taquariense (AAT): da Fundação até a década de 1960


É o clube esportivo da cidade, que sempre foi ligado aos esportes, principalmente o futebol. Inicialmente era chamada de Associação Atlética Taquariense(AAT).
Essa associação foi fundada em 10 de Junho de 1935 e funcionou inicialmente na Rua Floriano Peixoto 754, na casa da frente do clube e pertencente a Joaquim Vaz Gabriel pai de João Vaz Gabriel, o “Gote Pico”, e depois mudou para um galpão em frente de sua casa, onde atualmente é o clube, sendo o primeiro clube de esportes da cidade.
Em 3 de Agosto de 1944, a Associação Atlética Taquariense foi oficializada por José Rodrigues (Juquinha), e teve como sócios fundadores José Picasso Chamorro, João Váz Gabriel(Gote Pico), José Penna, José de Almeida Ferraz, Paulo Pedroso, Josué Pena Sobrinho, Artur Vaz, Eudes Martins. O primeiro presidente do Conselho deliberativo foi João Váz Gabriel.
Antes da inauguração da sua sede, os jogos de baralho (caixeta) eram realizados na casa ao lado da casa do Hélio Lara Bueno (advogado), na praça São Roque 206. Junto com o proprietário jogavam Wilson G. Martins(médico), Salvador Branco, Pedro de Almeida, padre Teodoro Bibiano da Silva e Valdomiro Rodrigues(o Milã”),que jogavam tanto no CRT, assim como na AAT.
Graças ao trabalho e a persistência de José Picasso Pedro Pedroso, Jairo Pedroso e Valdomiro Rodrigues, os trabalhos de construção da sede foram concluídos em 1945. A reinauguração ocorreu, em 3 de setembro de 1949, no barracão, no número 740/754, em frente da casa do “Gote Pico” na Rua Floriano Peixoto, 528.
Para manter o clube funcionando eram realizados na sua sede os jogos de carteado cobrando o ”barato”(porcentagem que era retirada do montante de dinheiro apostado pelos jogadores).
Num dos jogos de “caixeta” em 1964, o Pe. Bibiano T. da Silva “perdeu” um sítio de sua mãe com a área de dez alqueires(24,42 ha.) nas margens da estrada do Matão, a seis quilômetros da cidade no bairro Palmeiras. Foi vendido para José Vicente de Queiroz, para pagar a dívida do jogo.
O time de futebol da AAT que disputava na região os jogos de futebol nos anos quarenta, foram: Silvio Cimatti, Pedro Tobias, o goleiro Acácio de Mello(“Oberdã”), Aparecido Froes, José Picasso Chamorro, Setembrino Aparecido (“Brino”)e Joaquim Gabriel (”Quinzinho”), Benjamin Garbeloti (“Bino”), Luiz Galvão e Aparecido Ferraz, Trajano Gabriel, Ciro de Campos e outros. O Alfredo Costa Braz ( o" Nenzinho") participou da formação da Associação AAT e foi um dos craques de futebol da mesma nos anos cinquenta-sessenta. Seu filho, também craque de futebol, participou da diretoria quando a AAT foi arrendada para a firma de jogos e bingo de Sorocaba, no final da década de setenta e início dos anos oitenta.
O campo de futebol ficava entre a Rua Floriano Peixoto e a Av. Cel. João Quintino, no quarteirão da Escola Mal. Candido Rondon, antiga Escola Bernardete Luis Cláudio (hoje Escola Técnica). Dali o campo de futebol mudou-se em 1952 para a Rua Capitão Cezário de Campos 170 ou Rua Gastão Vidigal 43. O campo foi cercado por muros doados pelo dr. Teodoro Quartim Barboza (presidente do Banco Mercantil de São Paulo s.a) na época e em sua homenagem foi nomeada uma rua com seu nome ao lado do Estádio AAT, sendo que na sua inauguração esteve presente seu representante.
Em 1956, nasceu uma equipe chamada 16 de Agosto, comandada por Flor Siqueira e em 1957 iniciou-se o primeiro Campeonato municipal dos esportistas ligados a suas profissões: Pedreiros do Zé Mico e Roque Miranda; os Motoristas do Santo Lopes, Ciro de Campos e João Chiru; os Comerciantes liderados por Paulo Guaru e Canhoteiro; e os Sapateiros de João Pretinho, Paciência,Jurandir(Jurinha) do Espírito Santo, Zé Negrinho e Duílio Lamarca. O primeiro campeão do campeonato das profissões foi o time dos Sapateiros.
O time era formado por: Otávio, João “Troço”, Dante Cimatti, Hugo, “Paciência”, “Jurinha”, João “Pretinho”, “Zé Mario”, Duílio e mais Zé Pretinho. Para evitar rivalidades entre as profissões os times mudaram seus nomes para Flamengo(sapateiros), Fluminense e América.
Em 1964 surgiram vários times, liderados por antigos jogadores como Operário do João Pretinho, o Vila Nova do Lourenço Custódio, o Jabaquara do “Anjinho”, os Costas do Orvalino, o Espanha do “Alagoano”, do “Nenzinho” do Aleixo, e Palmeiras do Apolinário. Nos anos sessenta e setenta o esporte era comandado pelo Elpidio Fraga (o “Vereador”) e também teve um entusiasta da AAT no futebol; Juvenal Rodrigues (o Mininico).
O futebol do clube revelou diversos jogadores que se tornaram profissionais entre eles Marcelo e Fonseca.
No final da década de 1970 a Associação montou uma escola de futebol para incentivar os filhos dos associados a participar da vida do clube. Veja o documento abaixo:

3 comentários:

  1. Dr. Norival, encontrei o blog do sr. no google ao realizar uma pesquisa, e dentre as "memórias" interessei-me pela referente à da ATT, pois hoje este clube não existe mais. Dentre os motivos que concorreram para sua extinção estão o desinteresse dos associados e principalmente a diretoria que na pessoa de seu presidente e familiares, acabaram com o patrimônio do clube, seja vendendo o clube de campo, por exemplo, seja fazendo uma doação forjada à prefeitura para saldar débitos fiscais e responsabilidades indenizatórias, assim como deixando a sede social ser arrematada nos autos de uma execução por dívidas com a incospel. Deixo aqui meu protesto, anônimo, mas válido, pois parte da história de Taquarituba foi apagada devido aos interesses, exclusivamente, financeiros de particulares, de úma família e outras pessoas que, invariavelmente fizeram um desfavor à sociedade taquaritubense. À nós as lembranças, à eles a insignificância.

    ResponderExcluir
  2. MUITO LEGAL,DR NORIVAL. BOM SABER QUE AS MEMÓRIAS DA "TERRINHA" ESTÃO SENDO PRESERVADAS. FUI VIZINHO DE SUA FAMÍLIA POR ANOS: SOU LÚCIO SANT'ANNA, FILHO MAIS NOVO DO DITINHO DA FARMÁCIA. PARABÉNS PELA ATITUDE

    ResponderExcluir
  3. Quem não gostava muito do Norival eram os cachorros que tinham em casa primeiro era a Tosca uma capa preta e depois o Pitoco um vira-lata. Sou o Wilson filho do Gote Pico e da Dna Cecilia. Abs Dr. Norival.

    ResponderExcluir