sexta-feira, 9 de maio de 2008

Plantio de cereais e café em Taquarituba (década de 1950-1960)


Quando cheguei em Taquarituba em 1966 ainda se plantava milho com a matraca e semeadeira traçionada por animal, pois muitos terrenos não estavam destocados. Os agricultores contavam que o início do plantio nos terrenos de suas propriedades foi muito difícil porque os tocos atrapalhavam a mecanização.
Na década de cinqüenta conta-se que os agricultores plantavam milho de paiol e criavam porcos para seu aproveitamento, pois era difícil realizar as vendas do cereal. Então o milho era usado para a criação de porcos que depois eram levados para Avaré e Piraju a pé conduzidos pelos proprietários a cavalo. Isso mostra o quanto era difícil e pouco rentável a venda do milho.
Outro exemplo desse tipo é o da produção de algodão. O plantio de algodão que tinha alta produtividade era transportado em lombo de burro para Estrada de Ferro Sorocabana no entreposto comercial em Avaré.
Antes da década de sessenta, os agricultores plantavam milho e feijão nas entrelinhas com as cavadeiras (ferramentas manuais)nas terras recém desbravadas, sendo que os mais progressistas plantavam com matracas(conhecida por xeque-xeque), ou seja, semeadeiras manuais que eram usadas devido ao terreno não que não permitia a mecanização.
Alguns agricultores plantavam arroz de sequeiro para a sua subsistência.
Na parte norte do município já começava o plantio de café bourbon e caturra pelos imigrantes italianos.

Um comentário:

  1. Olá,
    Muito bem! Espero que continue a relembrar das histórias vividas.

    ResponderExcluir