quarta-feira, 23 de abril de 2008

Sobre o concurso "O melhor produtor de milho de Taquarituba"


Esse post é uma homenagem ao engenheiro agrônomo José Carlos Rosa, nascido em Tietê e formado na ESALQ em 1963, que em nosso entender foi um pioneiro no uso do concurso como estratégia para aumentar a produtividade do milho em São Paulo.

Em 1960 o engenheiro agrônomo José Carlos Rosa instituiu em Taquarituba, para estimular a produtividade de milho, um Concurso de Produtividade de Milho denominado "O melhor produtor de milho de Taquarituba". Este foi o primeiro concurso instituído nesses moldes no Estado de São Paulo.
A média de produtividade do milho nessa época não ultrapassava 40-50 sacas por hectare em média, embora a maior parte do solo do município fosse de terra roxa e terra roxa misturada, de ótima e boa fertilidade.
Rosa foi para São Paulo, no Liceu de Artes e Ofícios, onde criou e produziu um troféu no formato de uma espiga de milho em tamanho real, banhada a Ouro 18 quilates, para premiar o vencedor deste concurso.
O comércio local contribuiu com as despesas para a confecção da estátua, desde os gastos com o transporte de trem, pela Estrada de Ferro Sorocabana de Avaré até São Paulo.
A estátua de milho de Ouro era transitória, pois ficava por três anos com o produtor que ganhava o primeiro lugar, em anos seguidos ou cinco anos alternados.
Além desse troféu, o Banco Brasileiro de Descontos S.A. doou uma estátua da “Deusa Ceres” de 60 cm de altura em bronze, transitório igual a Espiga de Ouro, para premiarem o produtor campeão do Concurso de Produtividade de Milho”.
Os membros da comissão do concurso eram escolhidos anualmente pelo engenheiro agrônomo e prefeito municipal. Essa comissão era responsável por fiscalizar a colheita e organizar a Festa do concurso.
Para participar do concurso, no início do ano agrícola o produtor preenchia uma ficha de inscrição na Casa da Lavoura de Taquarituba. As informações referentes à produção do milho desde seu plantio até a colheita eram anotadas num livro próprio do Concurso. A colheita era fiscalizada por de três pessoas nomeadas pela comissão do concurso. Após a colheita a comissão analisava os dados e divulgava para a comunidade os vencedores do concurso (1º, 2º e 3º lugares). Após a divulgação era realizada a festa do milho para a entrega dos troféus e prêmios doados pelas empresas e comunidade. Á noite era realizado o baile de coroação da rainha do milho que havia sido escolhida num concurso em paralelo. É notável relatar que os primeiros colocados desse concurso platavam o milho híbrido - HMD 6999 e 6999B - da Secretaria de Agricultura de São Paulo embora já existissem as primeiras marcas comerciais de milho híbrido.
O concurso “O Melhor Produtor de Milho de Taquarituba” teve 14 edições, de 1960-1961 até 1974-75 e apresentou produtividades que atingiram até 166,80 sacos por hectare(10000,8 kg por hectare), recorde nacional no ano de 1967-68, sendo inédito em São Paulo, incentivando a produtividade e o uso de técnicas modernas.
Se você tiver alguma informação, documento ou fotografia sobre esse concurso ou outros relacionados ao milho, por favor, envie para mim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário